Publicidade

18 de Julho de 2014 - 06:00

Por Tribuna

Compartilhar
 

Médicos, odontologistas e engenheiros ligados à Prefeitura vão receber, em agosto, os vencimentos reajustados em 6,5%, assim como os servidores representados pelo Sinserpu e os profissionais do magistério. A Mensagem 4.109/2014, aprovada pela Câmara na última terça-feira, também autoriza o pagamento a estes trabalhadores. Porém, ao contrário dos demais funcionários, essas categorias ainda negociam com a Administração suas pautas específicas.

Além do reajuste, médicos e odontologistas irão receber recomposição salarial de 3,23%, a ser incorporada ao piso em janeiro de 2015. Segundo o presidente do Sindicato dos Médicos, Gilson Salomão, entre os itens pleiteados, apenas a gratificação aos profissionais de urgência e emergência foi atendida. "Falta agora entrarmos em acordo sobre o pró-labore dos médicos especialistas e estabelecer o cronograma de reuniões para implantação do plano de cargos e salários."

Os odontologistas, no entanto, aguardam a definição de apenas um item dos pleitos para encerrar as negociações. O presidente do Sindicato dos Odontologistas, Fernando Farineli, disse que as conversas envolvem o valor do pró-labore para consultas na atenção secundária. "A Prefeitura se comprometeu em contratar, até 2015, dez profissionais para as equipes do Programa Saúde da Família, além da abrir concurso para dentistas, técnicos e auxiliares", afirmou.

Para o Sindicato dos Engenheiros, falta avanços na pauta. "Cobramos pela constituição da comissão paritária para elaborar o nosso plano de carreira. Enviamos à PJF alguns modelos para análise", disse Fernando José, presidente da instituição.

A Secretaria de Administração e Recursos Humanos informou que aguarda o retorno das categorias sobre as contrapropostas apresentadas para que novas rodadas possam ser agendadas.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?