Publicidade

24 de Abril de 2014 - 07:00

Recuo abre espaço para aliança entre PMDB e PT. Antônio Andrade será candidato a vice de Fernando Pimentel

Por Renato Salles

Compartilhar
 

Até então pré-candidato ao Governo de Minas Gerais pelo PMDB, o senador Clésio Andrade afirmou nesta quarta-feira (23) que está fora da disputa pelo Palácio Tiradentes. Em nota, Clésio declarou que acata a decisão anunciada na última terça-feira pelo presidente do PMDB-MG, o ex-ministro Antônio Andrade, de que oito dos 13 membros da executiva estadual da legenda haviam decidido pela aliança com o PT. "Mesmo tendo certeza da vitória na convenção, preocupado com a eleição de seus amigos parlamentares, deputados estaduais e deputados federais, que precisam de coligação para se reelegerem e, considerando ainda, sua história de vida que sempre foi de construtor de pontes, acata a decisão de ontem (terça-feira), 22 de abril, tomada pela maioria da bancada do PMDB", afirma o texto divulgado no site do senador. Com a desistência, o partido deve mesmo caminhar ao lado do pré-candidato petista, o ex-ministro Fernando Pimentel. Assim, a chapa ainda teria os peemedebistas Antônio Andrade, como candidato a vice-governador, e o empresário Josué Gomes, na disputa pelo Senado. Josué é filho do ex-vice-presidente José Alencar e se filiou ao PMDB em outubro do ano passado com o aval do PT.

Em Juiz de Fora, a dobradinha divide partidários das duas legendas. Desde o ano passado, a maioria das lideranças peemedebistas na cidade, entre elas, o prefeito Bruno Siqueira, defendia a tese da candidatura própria. Nesta quarta, falando em nome do partido que dá sustentação à Administração municipal, o presidente do PMDB-JF, Paulo Gutierrez, afirmou que "ainda há muita água para rolar debaixo dessa ponte". Por outro lado, o presidente da Câmara, Julio Gasparette, foi enfático ao lamentar publicamente a decisão do PMDB de apoiar a empreitada petista. "Minha legenda não teve coragem de lançar um candidato. Vamos respeitar, pois somos soldados do partido", declarou Gasparette do plenário do Palácio Barbosa Lima. Outro integrante da bancada do PMDB no Legislativo municipal, Antônio Aguiar considerou a decisão da Executiva estadual da legenda acertada. "Era o caminho natural. O PMDB irá integrar uma chapa encorpada, o que vai transformar o pleito em eleições muito disputadas."

Formada por Roberto Cupolillo (Betão) e Wanderson Castelar, a bancada do PT também mostrou um discurso dividido com relação à aliança. Betão se limitou a afirmar que a decisão do PMDB não o surpreende. Castelar disse que, após contatos com o presidente estadual do PT, o deputado federal Odair Cunha, estava trabalhando para uma aproximação entre os dois partidos na cidade. As conversas diziam respeito às eleições para o Governo do estado, já que, no cenário municipal, os vereadores petistas formam o esvaziado bloco oposicionista à Administração peemedebista.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que a realização de blitze seria a solução para fazer cumprir a lei que proíbe jogar lixo nas ruas?