Publicidade

02 de Fevereiro de 2014 - 07:00

Movimentação dos candidatos à ALMG fica restrita aos bastidores

Por Renato Salles

Compartilhar
 

A sabedoria popular rege que, no Brasil, o ano começa para valer após o Carnaval. Assim, o cenário para a disputa eleitoral de outubro só deve ficar mais claro a partir da segunda semana de março, depois do Reinado de Momo. Apesar de a maioria estar em compasso de espera, aguardando o momento ideal para colocar o bloco na rua, alguns nomes certos já desfraldaram seus estandartes. Nos bastidores, vários políticos de Juiz de Fora estão se movimentando e fazendo arranjos de pré-campanha. A meta é viabilizar suas candidaturas e ganhar fôlego para a corrida por cadeiras na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) e na Câmara dos Deputados.

A disputa para a Assembleia é tida como crucial para Juiz de Fora. Atualmente, a cidade possui apenas um deputado estadual: Lafayette Andrada (PSDB), que vai pela reeleição. No páreo, o último político local a confirmar seu nome foi o ex-secretário de Estado de Saúde, Antônio Jorge (PPS), que deixou a pasta no mês passado. A experiência no comando da Saúde deve ser usada como cabo eleitoral. Na semana passada, Antônio Jorge participou de eventos ligados à área da saúde em cidades como Ubá e Governador Valadares. O ex-secretário reforça a lista de pré-candidatos com atuação na cidade.

A relação tem ainda nomes certos como os vereadores Isauro Calais (PMN) e Noraldino Júnior (PSC). Desde a posse do prefeito em janeiro do ano passado, Isauro fala como candidato de Bruno Siqueira (PMDB). A simpatia do chefe do Executivo juiz-forano, entretanto, não é unanimidade dentro do PMDB. Alguns quadros defendem candidatura própria, outra definição que deve ser tomada mais adiante. O fato é que à frente da Prefeitura e da Mesa Diretora da Câmara, presidida por Julio Gasparette (PMDB), a legenda ainda não conseguiu destacar um nome para a disputa por cadeiras seja na Assembleia ou no Congresso.

Noraldino ainda aguarda decisão Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre uma possível cassação do mandato do deputado federal Stéfano Aguiar, que trocou o PSC pelo PSB, por infidelidade partidária. Em caso de decisão contrária a Stéfano, o juiz-forano pode herdar uma vaga na Câmara dos Deputados. A possibilidade, entretanto, não altera os planos do parlamentar de sair candidato a deputado estadual. A tendência é de que a Câmara seja a origem da maioria dos postulantes a uma vaga na Assembleia.

Outro nome de vereador que vem ganhando força nos bastidores e que pode lançar candidatura é o de Vagner de Oliveira (PR). Em seu primeiro mandato na Câmara, o parlamentar acumula experiência nos poderes Executivo e Legislativo de Chácara, município vizinho a Juiz de Fora. A lista de vereadores candidatos deverá ser ainda maior já que é certo que o PT irá lançar ao menos um candidato. Neste cenário, os dois parlamentares petistas, Roberto Cupolillo (Betão) e Wanderson Castelar, apresentam-se como alternativas. Nos bastidores, a informação é de que Betão não abrirá mão de uma candidatura. Por outro lado, Castelar é adepto da candidatura única e tenta costurar um acordo para buscar unidade em torno de seu nome. Esta, entretanto, é outra decisão que só deve sair após o Carnaval.

Há ainda vereadores que são sondados por suas legendas para compor chapa, mas mostram-se reticentes. Em um cenário de conjecturas, nomes como Ana Rossignoli (PDT), Jucelio Maria (PSB), José Márcio (PV) e Chico Evangelista (PROS) teriam sido ventilados. Os peemedebistas André Mariano e Antônio Aguiar são citados recorrentemente pelos adeptos da candidatura própria no PMDB para a corrida pela ALMG. Carta fora do baralho é Rodrigo Mattos (PSDB). Apesar de sempre ser apontado como possível postulante, o tucano descarta uma candidatura à ALMG.

 

 

Sucessão de Anastasia é prioridade

Decisões de maior vulto são esperadas entre os possíveis candidatos à Câmara dos Deputados. Por ora, a deputada Margarida Salomão (PT) é a única que confirma sua presença na disputa. Em janeiro, a parlamentar rodou mais de dois mil quilômetros nas estradas da Zona da Mata e visitou mais de 30 municípios em período de nove dias. Na agenda oficial, as visitas foram como forma de fazer prestação de contas de mandato. Todavia, nesses momentos, o tom de pré-campanha parece inevitável.

Os outros dois deputados federais da cidade, Marcus Pestana (PSDB) e Júlio Delgado (PSB) ainda se movimentam para tentar protagonizar a disputa pela sucessão do governador Antonio Anastasia. Pré-candidato tucano ao Governo do estado, Pestana aguarda uma decisão de seu partido sobre o qual será o nome indicado para a disputa do Palácio Tiradentes. O ex-ministro Pimenta da Veiga é o outro candidatável do PSDB. Neste caso, a decisão é a esperada para fevereiro, antes do Carnaval.

O deputado tucano sabe que, mesmo se não for pelo Executivo, o tom de pré-campanha serve para disputa para o Congresso. Na última sexta-feira, Pestana se encontrou com o prefeito Bruno Siqueira em Juiz de Fora. A conversa fechou uma caravana feita pelo parlamentar e presidente estadual do PMDB pelo interior de Minas Gerais. Em sua jornada pelo estado, que durou mais de 30 dias, o deputado realizou dez reuniões regionais. As sessões reuniram cerca de 1.500 pessoas e quase cem chefes de Executivo.

À frente do diretório estadual do PSB, Júlio Delgado se movimenta para definir qual caminho a legenda irá trilhar na disputa pelo Palácio Tiradentes. Recentemente, à revelia do posicionamento da Rede Sustentabilidade, parceira do PSB que defende a necessidade de "romper a hegemonia do PSDB, em Minas Gerais", o juiz-forano não descartou uma possível aliança com os tucanos. Neste caso, os socialistas tentariam cavar a vaga de vice-governador e Júlio aparece como possível candidato.

O nome do parlamentar também é ventilado para encabeçar a chapa caso os socialistas partam para uma empreitada própria. Com o futuro de Julio e Pestana ainda indefinido, a lista de possíveis postulantes juiz-foranos à Câmara dos Deputados ainda é pequena. Além de Margarida, o nome do ex-vereador Vanderlei Tomaz (PSC) vem ganhando força. Candidato nas últimas eleições, Wadson Ribeiro (PCdoB) pode voltar ao páreo. Filiado ao PSDB no ano passado, o ex-jogador da Seleção Brasileira de vôlei, Giovane Gávio, também tem seu nome colocado no campo das conjecturas.

 

Ex-prefeitos

Dois ex-prefeitos de Juiz de Fora são apontados como possíveis candidatos, resta saber se correriam por uma cadeira na Assembleia e na Câmara. Secretário de Desenvolvimento Econômico na Prefeitura de Belo Horizonte, Custódio Mattos (PSDB) é cogitado dentro do partido. Mesma situação vivida por Tarcísio Delgado, que se filiou ao PSB no ano passado. Em compasso de espera, os dois políticos evitam o assunto, decisão que também deve ficar para depois do Carnaval.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você está fazendo pesquisa de preços para controlar o orçamento?