Publicidade

05 de Julho de 2014 - 07:00

Por Tribuna

Compartilhar
 

O número de jovens de 16 e 17 anos - idade em que o voto é facultativo - que vai comparecer às urnas no dia 5 de outubro cresceu 45% em Juiz de Fora.Na comparação com as eleições de 2012, que abrangeu a escolha para prefeito e vereador, o número pulou de 2.449 para 3.554 este ano. O número também pode ser considerado o maior das últimas quatro eleições. Em 2010, foram emitido 3.290 títulos para menores de 18 anos, e em 2008, 3.473 documentos. Já o total de eleitores juiz-foranos se manteve estável e cresceu apenas 1,9%, passando de 385.580 em 2012 para 392.950, um acréscimo de 7.370 votantes. O aumento menor do que o verificado entre 2010 e 2012, quando a diferença chegou a nove mil ou 2,4%. Os dados foram disponibilizados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e coletados até o dia 7 de maio, data limite para retirada ou mudança do título de eleitor.

O chefe de cartório da Zona 154 do TRE-MG, André Luiz Faria Carvalho, acredita que este aumento possa ter relação com as manifestações de junho e julho do ano passado, quando muitos estiveram à frente de protestos que pediam por mudanças no Governo federal. "O mais interessante é que, geralmente, há maior procura quando as eleições são municipais, pelo fato de os jovens conhecerem mais os candidatos. As mobilizações do ano passado serviram, de fato, como inspiração para este espírito de mudança, pois a hora de trocar os governantes é agora." André também atribui o aumento à campanha feita pelo TSE , que teve como objetivo incentivar e conscientizar os jovens sobre a importância do voto.

André ressalta que, durante o período de alistamento, percebeu uma mudança muito grande na postura dos jovens. "Eles estão mais politizados e conscientes da realidade que o Brasil está inserido, e, até certo ponto, insatisfeitos. Pelas conversas que tivemos, eles demonstraram ter consciência de que o voto é a maneira mais correta para se fazer mudanças. Há, de forma notória, uma mudança no perfil em relação aos outros pleitos. O eleitor está mais capacitado e independente."

Mesmo que a procura pelo título de eleitor seja para outros fins, como prestar concursos públicos ou matricular em escolas de ensino superior, o chefe de cartório revela que, em Juiz de Fora, o espírito de cidadania parece mais aflorado. "O título passa a ser obrigatório a partir de 18 anos, e, legalmente, não se pode exigir este documento de pessoas com 16 e 17 anos. Tivemos adolescentes de 15 anos querendo antecipar o título, o que é permitido se a pessoa completar 16 anos até a data da eleição. Foi uma procura excepcional."

Outros dados preliminares fornecidos pelo TSE mostram que as mulheres seguem liderando a fatia do eleitorado juiz-forano, conforme a tendência demográfica constatada pelo Censo 2010/IBGE. Elas representam 53,96% do número total de títulos. No total, votarão para a Presidência da República, senador, governador, deputados federais e estaduais , 212.042 mulheres. Enquanto o número de homens chega a 180.682. A relação se repete também entre os adolescentes. São 1.896 meninas para 1.658 meninos. entre a população com idade superior a 70 anos, quando o voto também não é considerado obrigatório, foi registrado um aumento de 5% em relação a 2012, passando de 35.998 para 37.922.


Propaganda começa neste domingo

Os partidos e as coligações têm até as 19h deste sábado para apresentar ao TSE o registro das candidaturas. O registro só será autorizado para candidatos escolhidos em convenções partidárias, conforme o calendário eleitoral. Para as eleições majoritárias - governador, vice e senador -, a Resolução 23.405/2014 define que pode haver substituição de candidatos em um prazo máximo de 20 dias antes das eleições, no entanto, em caso de falecimento, a regra não se aplica, permitindo que a troca aconteça na véspera da eleição.

A partir de domingo, candidatos, partidos e coligações ficam autorizados a começar a propaganda eleitoral nas ruas e na internet. A data marca, ainda, o início do período para a realização de comícios e reuniões públicas. Os comícios e reuniões podem acontecer de 8h a meia-noite, até o dia 2 de outubro - 48 horas antes das eleições. Já a propaganda por meio de alto-falante ou amplificador precisa obedecer o horário de 8h a 22h, até o dia 4 de outubro - um dia antes do pleito.

A propaganda gratuita na internet deve acontecer em sites dos partidos e dos candidatos, desde que sejam hospedados em provedores brasileiros, assim como em blogs, redes sociais como Facebook e Twitter. Nas ruas, a divulgação dos candidatos pode estar em cavaletes, bonecos, cartazes e bandeiras móveis, desde que não atrapalhem o trânsito de pessoas e veículos, sendo colocados e retirados entre 6h e 22h. Em bens de uso comum, em que toda população tem acesso, a propaganda eleitoral não é permitida.

As denúncias de irregularidades também podem ser feitas a partir de domingo. O TSE orienta que as mesmas sejam feitas nos cartórios eleitorais ou pela internet, no "Denúncia on-line", pelo site tse.jus.br. O sistema permite que o denunciante envie fotos, documentos e demais materiais úteis para a materialização da propaganda considerada fora dos padrões legais. A propaganda eleitoral gratuita a ser veiculada no rádio e na televisão só será permitida a partir do dia 19 de agosto.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que os resultados do programa "Olho vivo" vão inibir crimes nos locais onde estão as câmeras?