Publicidade

12 de Junho de 2014 - 12:09

Por Tribuna

Compartilhar
 
Manifestantes desceram a Rua Halfeld com faixas
Manifestantes desceram a Rua Halfeld com faixas

Atualizada às 16h51

Horas antes da abertura oficial da Copa do Mundo, em São Paulo, diversas entidades sindicais e de lutas populares foram às ruas do Centro de Juiz de Fora nesta quinta-feira (12). Cerca de 30 pessoas, segundo estimativa da Polícia Militar, se reuniram para protestar contra os recursos destinados à competição, pedindo mais investimentos para saúde, educação e transporte no país. Com faixas, cartazes e palavras de ordem, o grupo seguiu da Câmara Municipal até a Praça Antônio Carlos, descendo pelo Calçadão da Rua Halfeld. Diferente das manifestações registradas na capital paulista e no Rio de Janeiro, os manifestantes deram o seu recado sem confrontos, atraindo a curiosidade da população que parou para assistir a passagem do grupo por alguns momentos. 

"Mesmo Juiz de Fora não sendo uma das cidades a receber os jogos não poderíamos deixar de chamar a atenção das pessoas para nós, estudantes e trabalhadores, pela forma como nos sentimos injustiçados com os altos gastos destinados à Copa", ressaltou Patrícia Duarte, membro do executivo do estado da Assembleia Nacional dos Estudantes (Anel) e uma das organizadoras do protesto. Ela destacou que todos são atingidos pelas decisões do Governo federal. "Queremos sim, ver o Brasil vitorioso em campo, mas principalmente fora dele." 

 Com manifestantes empunhando bandeiras pretas, além de usarem vestimentas da mesma cor, o grupo iniciou seu protesto pedindo por mais investimentos na educação e saúde, pelo fim das mazelas da sociedade e injustiças. Ao pararem no meio do Calçadão, próximo ao Banco do Brasil, os manifestantes abriram uma grande roda para realizar uma intervenção cultural. A estudante de arquitetura Gardênia Mendes apresentou um número de dança, durante o qual entregou a cada pessoa presente uma placa com frases destacando as injustiças vividas por cada brasileiro. "Escolhi me expressar, por meio da arte, toda a minha indignação."

Estiveram presentes representantes da Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas), do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG), da Anel, da Associação de Docentes de Ensino Superior de Juiz de Fora (Apes-JF), do Movimento Mulheres em Luta (MML), do Núcleo de Assessoria Jurídica Popular (Najup), do Coletivo Vamos à Luta da UFJF, da União Juventude Comunista (UJC) e dos partidos como PSTU, PSOL e PCB.  

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que a realização de blitze seria a solução para fazer cumprir a lei que proíbe jogar lixo nas ruas?