Publicidade

22 de Maio de 2014 - 21:54

Por Tribuna

Compartilhar
 
Ato no Calçadão chamou a atenção para o movimento
Ato no Calçadão chamou a atenção para o movimento

Os professores do Município fizeram nesta quinta-feira (22) a primeira rodada de negociações salariais com a Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) após iniciarem o movimento grevista deflagrado em assembleia na quinta-feira da semana passada. A categoria reivindica o pagamento integral do piso salarial da classe, que é de R$ 1.697,42, a todos os docentes, ao passo que a PJF opta por pagar valor proporcional à quantidade de horas trabalhadas. As negociações desta quinta não avançaram, e nova reunião será realizada na próxima segunda-feira, às 18h, na Prefeitura. Os professores permanecem em greve e fazem assembleia na terça-feira, às 14h, no Ritz Hotel.

Os professores também não aceitam a disparidade nos percentuais de reajuste propostos pelo Executivo para os docentes. A Administração oferece aumento de 6,42% para os professores do patamar PRA-1, encarregados de lecionar nos anos iniciais de ensino. Os demais ficariam com a recomposição inflacionária que a PJF vai pagar a todos os seus servidores, em cinco parcelas: a primeira referente ao período de maio a dezembro de 2013, de 3,32%, a partir do fechamento do acordo. As demais terão como base o índice único proposto aos demais servidores. A diferença entre esse percentual e o inicialmente concedido seria paga parceladamente até o final do ano. Os professores, no entanto, querem receber a atualização do piso, de 8,32%, a ser aplicada na íntegra, com valores retroativos a janeiro, a todos os docentes.

Segundo a coordenadora-geral do Sindicato dos Professores de Juiz de Fora (Sinpro-JF), Aparecida Pinto, esta quinta foi destinada a discussão das propostas, e novidades são esperadas apenas na segunda-feira. "Estamos em fase de diálogo, e a categoria permanece mobilizada". A PJF afirma estar aberta a dialogar com a classe e que cumpre a Lei Nacional do Piso, tendo exposto ao sindicato, de forma pormenorizada, todo o cálculo que sustenta os ajustes propostos. "Entendemos que o diálogo é o melhor caminho para se evitar prejuízos à população. Por isso, uma nova reunião foi agendada para a próxima segunda-feira para dar prosseguimento às negociações", afirma a secretária de Administração e Recursos Humanos, Andreia Goreske, que vem conduzindo as negociações salariais com os servidores da Prefeitura.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você está fazendo pesquisa de preços para controlar o orçamento?