Publicidade

23 de Maio de 2014 - 20:44

Grupos empresariais vão bancar consultoria para Prefeitura. Contrapartida será em melhores arrecadação e gastos públicos

Por Tribuna

Compartilhar
 
Prefeito lançou projeto na manhã desta sexta (23)
Prefeito lançou projeto na manhã desta sexta (23)

A Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) e a organização Comunitas, que reúne investidores privados interessados em aprimorar a gestão pública municipal, firmaram nesta sexta-feira (23) pareceria para elaboração de um plano de ações visando à melhoria da arrecadação e dos gastos da PJF. Para tal, o grupo de investidores vai despender cerca de R$ 3 milhões anuais para contratar uma empresa de consultoria, a Falconi, que realizará um diagnóstico da situação financeira da Prefeitura e proporá formas de maximizar a arrecadação sem aumento de impostos, ao passo que também vai orientar os gestores do município na aplicação eficaz dos recursos. Pela manhã, o prefeito Bruno Siqueira (PMDB) se reuniu com executivos de alguns dos mais importantes grupos empresariais do Brasil, para firmar o acordo, e depois apresentou a parceria em evento no Premier Hotel.

As empresas que integram a organização garantirão 75% dos recursos, ao passo que 25% serão obtidos com parcerias locais. Um comitê, coordenado pela Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag), será formado e reunirá secretários, técnicos, representantes da Comunitas e o prefeito em encontros periódicos, para debater possíveis melhorias na gestão pública em Juiz de Fora. Segundo Bruno, a única contrapartida da PJF será por meio da eficácia no atendimento às orientações da organização. "A contrapartida é em trabalho, num pacto de governança compartilhado entre a organização e o Poder Público." O prefeito ainda reiterou que diversas melhorias na arrecadação municipal podem advir de meios alternativos ao aumento dos impostos, principalmente aperfeiçoando a fiscalização de débitos com o Município. "O principal caminho é identificar dívidas ativas, de empresas ou organizações, que podem ser regularizadas."

Segundo a diretora-presidente da Comunitas, Regina Esteves, o melhor equilíbrio fiscal das prefeituras pode ser aproveitado, ainda em parceria com a organização, para a criação e implementação de projeto para melhoria de serviços, em áreas essenciais como saúde, educação e transportes. "Ao conseguir que os municípios gastem o dinheiro de forma cada vez melhor, o importante é dar retorno social e econômico à sociedade." De acordo com Bruno Siqueira, a PJF estuda priorizar saúde e educação, ao aplicar os recursos provenientes do melhor equilíbrio entre arrecadação e gastos. "Esta é a prioridade, mas num segundo momento, com o sucesso de um modelo eficaz de gestão, toda os serviços prestados pela Prefeitura podem melhorar."

Presente ao evento, o diretor do Instituto Votorantim, Clóvis Carvalho, destacou a importância do investimento em Juiz de Fora para toda a Zona da Mata e regiões próximas. "Juiz de Fora é uma cidade polo, que leva consigo a economia da Zona da Mata. O que acontece aqui ainda se reflete no Sul de Minas e em regiões do estado do Rio de Janeiro, por exemplo." Embora o grupo esteja há muito tempo instalado em Juiz de Fora, Clóvis ressaltou que não há necessidade de os investimentos advirem de uma empresa local. "O apoio nacional fortalece o âmbito local, por isso é fundamental que este tipo de parceria esteja disseminado por todo o país."

 

Oito cidades

A Comunitas, fundada em 2000 pela ex-primeira-dama Ruth Cardoso (1995-2002), já estabelece parcerias com quatro cidades: Campinas (SP), Paraty (RJ), Pelotas (RS) e Santos (SP), e ainda este ano caminhará ao lado de Curitiba (PR), São Carlos (SP) e Teresina (PI). O entendimento da organização, que reúne diversas lideranças empresariais de âmbito nacional, é de que importantes melhorias na estrutura do país e na competitividade das empresas começa pela melhoria nas gestões municipais, que muitas vezes são negligenciadas pelo setor privado, mais atento às gestões federal e estaduais.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que campanha corpo-a-corpo ainda dá voto?