Publicidade

12 de Abril de 2014 - 07:00

Membros da Rede Sustentabilidade defendem a candidatura de Apolo Heringer ao Governo de Minas

Por Tribuna

Compartilhar
 

O futuro do PSB na sucessão do Governo de Minas Gerais permanece indefinido. Considerada certa até o início da semana, a possibilidade de a legenda apoiar o pré-candidato a governador pelo PSDB, o ex-ministro Pimenta da Veiga, esbarra no intuito do grupo formado por filiados à Rede Sustentabilidade, que defendem o lançamento de um nome da legenda ao Palácio Tiradentes. Na última terça-feira, os teóricos da candidatura própria lançaram a pré-candidatura do ambientalista Apolo Heringer Lisboa (PSB). Apesar de não existir consenso dentro do partido, Apolo promete manter o posicionamento de disputar as eleições de outubro até o fim, decisão que deve ficar para a convenção da sigla, que precisa ser realizada até o dia 30 de junho.

Na próxima segunda-feira, o pré-candidato a governador pretende defender seu objetivo em encontro nacional agendado pela aliança PSB/Rede/PPS/PPL. O evento acontece em Brasília. Na ocasião, será anunciada a indicação da pré-candidatura do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), à Presidência, e de Marina Silva (PSB), à Vice-presidência. "Não pedi para ser candidato. Me filiei ao PSB a pedido da Executiva nacional da Rede Sustentabilidade. Fui lançado como candidato por unanimidade entre os integrantes deste grupo. Sou o nome apresentado ao PSB para a disputa do Governo de Minas. Vou levar essa ponderação para Brasília. Queremos debater isso com o Eduardo Campos e com a Marina Silva. Se o PSB se apresenta como uma alternativa à polarização entre PT e PSDB é preciso ter uma candidatura própria em Minas Gerais", afirmou Apolo.

Presidente estadual do PSB, o deputado federal Júlio Delgado afirmou que o partido irá acolher a indicação do nome de Apolo e a discussão será levada para os correligionários. "Quem decide é o partido. É uma indicação do núcleo da Rede Sustentabilidade. Um nome preparado, que agrega muito valor ao PSB. Entretanto, havia um acordo anterior firmado entre o Eduardo Campos e o Aécio Neves (pré-candidato à Presidência pelo PSDB) de reciprocidade", ponderou o parlamentar juiz-forano, lembrando a articulação para que os socialistas apoiem os tucanos em Minas Gerais, enquanto, da mesma forma, o PSDB dê suporte ao PSB na disputa eleitoral de Pernambuco. Júlio e Heringer tiveram um encontro durante a semana para buscar um consenso, o que ainda não aconteceu.

O discurso dos integrantes da Rede Sustentabilidade, que aportaram no PSB em outubro do ano passado após a legenda não ter conseguido registro eleitoral a tempo de participar das eleições deste ano, parece afinado. "A Rede entende que é necessária uma candidatura própria no estado. Isso é fundamental. Trata-se do segundo colégio eleitoral do país. Uma empreitada nacional que não se faz presente em Minas não faz sentido. A aliança Eduardo Campos e Marina Silva precisa ser representada por um nome do partido", defendeu o ex-deputado federal José Fernando Aparecido de Oliveira, membro da Executiva Nacional da Rede Sustentabilidade.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você está fazendo pesquisa de preços para controlar o orçamento?