Publicidade

21 de Junho de 2014 - 06:00

PSB escolhe hoje nome para as eleições estaduais. Apolo Heringer desiste e deputado é favorito

Por HÉLIO ROCHA

Compartilhar
 
Com a desistência de ambientalista, Júlio Delgado pode ser candidato a governador
Com a desistência de ambientalista, Júlio Delgado pode ser candidato a governador

O deputado federal juiz-forano Júlio Delgado (PSB) pode se tornar, na manhã de hoje, candidato ao Governo do estado nas eleições 2014. Por volta do meio-dia, em convenção estadual, o PSB decide se terá candidato próprio no pleito de outubro e, caso faça essa opção, quem será o escolhido para concorrer ao cargo de governador. Uma vez que é prevista a escolha pela candidatura própria, Júlio é nome certo para a disputa ao Governo pelo PSB, devido à desistência, também comunicada ontem, do ambientalista Apolo Heringer, ligado à Rede Sustentabilidade da ex-ministra (Meio -ambiente) Marina Silva, em concorrer no pleito de outubro. A convenção será realizada em Belo Horizonte, na sede do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais (Crea-MG), tendo início às 9h.

O deputado federal deve se tornar o segundo nome local a compor uma chapa que concorre ao Governo, ao lado da sindicalista Victoria Mello (PSTU), que disputará o posto de vice-governadora em coalizão encabeçada por Fidélis Alcântara (PSOL). Júlio diz que hoje o partido deve optar pela candidatura própria e tem tudo para escolhê-lo como o nome do partido para o certame de outubro. "Já estamos conversando com partidos para que façamos a composição de chapa, com candidato a vice e a senador". O deputado explica que, após o encontro de hoje, a executiva estadual do partido deve homologar as candidaturas, com todos os nomes definidos, na próxima sexta-feira, véspera da convenção nacional da sigla. O prazo limite para o fechamento de chapas e coligações é 30 de junho.

A convenção será inaugurada por debates entre os delegados do partido, que compõem o maior número de quadros aptos a votar. Durante uma hora, serão discutidos as opções do partido para as eleições. Em seguida, às 10h30, os filiados começam a votar. Primeiro, o sufrágio definirá a posição da legenda, se por candidatura própria ou apoio a uma chapa já colocada. Esta votação deve confirmar a opção por ir ao pleito com candidato próprio. Logo após, faz a escolha entre os pré-candidatos. Júlio deve ser nome único. Participam da votação delegados indicados pelos diretórios municipais e membros da executiva estadual da sigla - categorias cuja quantidade de eleitores não foi consolidada pelo partido até o fechamento desta edição -, além dos 28 prefeitos, dois deputados federais e dois deputados estaduais da legenda.

A Rede Sustentabilidade informou, por nota, que não teve acesso às informações sobre o congresso de hoje, tampouco sobre seus delegados e sua organização. "Entendemos que, diante do quadro colocado, devemos exercer nossa influência programática nas eleições estaduais de 2014, abrindo mão de apresentarmos nosso nome ao Governo do estado no Congresso Estadual do PSB, e também de seguirmos juntos com o PSB nas eleições majoritárias de Minas Gerais", diz a nota. Apolo Heringer, ambientalista que liderou projeto de sucesso em recuperação de mananciais na região central do estado, contava com a força de Marina Silva em Belo Horizonte, onde ela venceu as eleições presidenciais de 2010, com 39% dos votos, para convencer os colegas de que o apoio da ex-ministra o tornaria o candidato mais viável em 2014.

Candidato

A candidatura de Júlio Delgado vem amadurecendo desde maio, quando o partido sinalizou a possibilidade de não integrar a coalizão com o PSDB, possibilidade articulada até abril. Inicialmente, os quadros da Rede Sustentabilidade pressionaram a direção do partido pela nome próprio na corrida ao Palácio Tiradentes, argumentando que a candidatura à presidência de Eduardo Campos (PSB) estaria enfraquecida sem a capilaridade de um candidato ao Governo da legenda em Minas Gerais. Desde então, os socialistas, que tendiam a apoiar a candidatura de Pimenta da Veiga (PSDB), passaram a discutir a possibilidade de candidato próprio, que se tornou consensual nas últimas semanas.

O deputado Júlio Delgado preferiu não comentar a decisão de Apollo Heringer, mas o secretário-geral da direção nacional do PSB, Carlos Siqueira, confirmou ao jornal "Estado de São Paulo" que a candidatura própria é uma garantia de palanque para Eduardo Campos no segundo maior Colégio Eleitoral do país. Segundo ele, a direção nacional do partido tem poder para mudar qualquer direção tomada na convenção estadual. "Tem o poder, mas não cogitamos essa possibilidade, porque estamos seguros que há uma maioria suficiente para garantir a candidatura própria", salientou. Ele disse respeitar a decisão de Apolo Henringer de retirar seu nome da disputa. "Assim como respeitamos a pré candidatura dele, que era legítima", concluiu.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você já presenciou manifestações de intolerância religiosa?