Publicidade

30 de Maio de 2014 - 15:37

Por Tribuna

Compartilhar
 
Profissionais se reuniram em frente ao Hemominas
Profissionais se reuniram em frente ao Hemominas

Atualizada às 21h16

Cerca de cem servidores estaduais de saúde de Juiz de Fora e Barbacena fizeram um manifesto na manhã desta sexta-feira (30), na entrada do Hemominas, região central. Na ocasião, eles também realizaram assembleia no local e decidiram que a categoria juiz-forana irá permanecer em estado de greve até a próxima terça-feira. Nessa data, membros do sindicato vão se reunir no mesmo local, às 10h, para definir se irão deflagrar o movimento grevista, iniciado em Belo Horizonte, no dia 27 de maio. Segundo a diretora do núcleo do  Sindicato Único dos Trabalhadores da Saúde (Sind-Saúde) de Barbacena, Francisca Moreira dos Reis, 42 servidores do município vizinho participaram do ato para demonstrar apoio à classe. "Lá, nós também estamos em estado de greve."

O diretor do Sind-Saúde de Juiz de Fora, Fabiano Ponciano, ressaltou que uma das principais revindicações da categoria é o cumprimento da pauta de negociação que foi criada há dois anos e assinada pelo então governador de Minas, Antonio Anastasia."Nessa época, nós paralisamos nossas atividades por 16 dias. O Governo atendeu 20% do que pedimos e agora estamos reivindicando o cumprimento do restante."Conforme pontuou Fabiano, o sindicato também está lutando pelo aumento do número de colaboradores. 

"Tem setores no Hemominas com apenas um funcionário. A unidade está com dificuldade de encontrar doadores de sangue, mas quando uma pessoa está disposta a doar, ela  fica esperando mais de duas horas para ser atendida. Além disso, estamos pedindo a reestruturação do plano de carreira, cargos e salários". Ao total, 825 funcionários de Juiz de Fora e região são representados pelo sindicato da cidade. "Até terça-feira, vamos continuar trabalhando normalmente. Se deflagrarmos a greve, os núcleos de saúde irão funcionar com os servidores em caráter de revezamento".

Por nota, o Governo de Minas afirmou que mantém diálogo permanente com os servidores, por meio do Comitê de Negociação Sindical (Cones) e de reuniões específicas. Em relação à redução da carga horária semanal de 40 para 30 horas, outro pleito da categoria, com remuneração proporcional, de diversos profissionais da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), o Governo disse que já foram atendidos 2.160 pedidos, o que representa 90,79% das solicitações. Informou, ainda, que a Fhemig garante que todas as medidas estão sendo tomadas de modo a assegurar a assistência integral dos usuários nas unidades hospitalares.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?