Publicidade

14 de Dezembro de 2013 - 07:00

Por Tribuna

Compartilhar
 

A paralisação que seria realizada na manhã de ontem pelos funcionários da empresa Classe A, prestadora de serviços de administração para a UFJF, não aconteceu. O Sindicato dos Trabalhadores de Empresas de Asseio e Conservação (Sinteac) alega que o protesto foi adiado depois de a categoria ter recebido ameaças de demissão. Segundo o presidente do Sinteac, Sérgio Félix, a ordem teria partido da direção do Centro de Educação à Distância (Cead), que abriga maior parte dos servidores. A categoria está com os vencimentos relativos a novembro atrasados.

A assessoria de comunicação do Cead garante que em nenhum momento houve ameaça de demissão. Afirma, porém, que a entidade comunicou aos funcionários que haveria corte de ponto, uma vez que o Cead não foi notificado oficialmente sobre a paralisação. O presidente do sindicato explica que o documento foi protocolado na reitoria. A Tribuna teve acesso à cópia do ofício, cuja data de recebimento apontava o dia de ontem.

O procurador da Classe A, Cairo Manuel de Oliveira, também nega que os funcionários tenham sofrido qualquer tipo de pressão. Ele adianta que a Capes enviou o repasse da verba para a UFJF e que a ordem bancária para a realização dos pagamentos já foi emitida. "O salário referente a novembro e o pagamento do 13º serão liberados nas contas dos servidores nesta segunda-feira, a partir das 10h."

Em nota, a UFJF informa que, mesmo sabendo que as notas fiscais referentes aos serviços prestados ainda encontravam-se dentro do período contratual previsto para pagamento, busca mediar e resolver a situação envolvendo atraso dos salários, tendo realizado o repasse na última quinta-feira.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da proibição de rodeios em JF, conforme prevê projeto em tramitação na Câmara?