Publicidade

29 de Março de 2014 - 07:00

Câmara aprovou nesta sexta mensagem do Executivo na qual Monte Sinai terá que custear 100% da construção

Por Tribuna

Compartilhar
 

A Câmara Municipal aprovou nesta sexta-feira (28) mensagem do Executivo que irá permitir a viabilização de um novo prédio para a Unidade de Atenção Primária à Saúde (Uaps) do Bairro Dom Bosco. A construção será realizada em parceria com o Hospital Monte Sinai. O dispositivo altera uma lei de 2005 que instituiu um conjunto de intervenções a serem realizadas pela entidade privada. O novo texto dita que 100% da construção da Uaps ficará a cargo da unidade hospitalar, cabendo à Prefeitura o custeio das fundações da obra, demolição de imóvel, limpeza do terreno e terraplenagem. Os trabalhos deverão ser realizados no prazo de um ano a partir da assinatura da carta compromisso celebrada entre as partes, na última quinta-feira, cabendo à Secretaria de Saúde a validação do projeto da empreitada.

As estimativas iniciais são de que os custos com a construção do novo prédio cheguem a R$ 1,2 milhão. Deste, os serviços que ficarão a cargo da Prefeitura devem ficar entre R$ 180 mil e R$ 240 mil. A previsão é de que os trabalhos de demolição, fundação e terraplenagem fiquem pronto entre abril e maio. "Estamos trabalhando com o prazo de um ano. O atual prédio será demolido para dar lugar a um novo, que atenderá à legislação sanitária e às necessidades da população daquela região que vem crescendo muito. Há uma grande expectativa para essa empreitada que começa a sair do papel, avalia o secretário de Saúde, José Laerte Barbosa.

O projeto transformado em lei em 2005 permitiu uma série de intervenções necessárias para a construção de um edifício interligado ao Hospital Monte Sinai por uma passarela suspensa sobre a Avenida Itamar Franco. O texto original previa que a entidade privada também ficasse responsável pela instalação de uma rotatória entre a Itamar Franco e a Rua Vicente Beghelli, no Dom Bosco. Entretanto, de acordo com a justificativa do Executivo, o equipamento se tornou desnecessário após a instalação de sinalização e semáforos que regularam o fluxo de veículos na região. Dessa forma, a Prefeitura acertou acordo para substituir a contrapartida da unidade hospitalar que, agora, passa a ser responsável por 100% da construção da Uaps. Na legislação original, a entidade arcaria com 50% da empreitada.

"Estamos felizes em garantir essa significativa melhoria na qualidade de vida de quase dez mil pessoas que residem nas proximidades e serão beneficiadas por este novo local de atendimento", afirmou o prefeito Bruno Siqueira (PMDB) durante a assinatura do termo de compromisso. Enquanto a obra não é concluída, a UAPS do Dom Bosco funciona em um imóvel alugado na Rua Belo Vale. O novo prédio será construído onde funcionava a antiga unidade, na Rua João Manata.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você confia nas pesquisas eleitorais?