JF. quarta-feira 26 abr 2017
OUÇA AGORA
Publicidade
10 de janeiro de 2017 - 16:34

Taxa de sobrevivência de micros e pequenos negócios é de 78,3% em JF

Por Tribuna

A taxa de sobrevivência de micro e pequenas empresas em Juiz de Fora é de 78,3%, acima das médias mineira (77,4%) e nacional (76,6%). O índice demonstra que, a cada cem empresas abertas na cidade, 21,7 fecharam as portas após os dois primeiros anos de existência. O maior percentual de sobrevivência no país, de 86%, foi verificado na cidade de Ouro Preto. O balanço é resultado do estudo “Sobrevivência de empresas no Brasil”, desenvolvido pelo Sebrae. A base utilizada são negócios criados em 2012 e que, portanto, se mantiveram (ou não) no mercado até 2014. Em Juiz de Fora, foram criadas 4.818 empresas com este perfil.

Conforme a analista da Unidade de Inteligência Empresarial do Sebrae Minas, Venússia Santos, os fatores que contribuem para o fechamento das empresas são diversos. Antes da abertura do negócio, avalia, muitos empreendedores estavam desempregados, possuíam pouca experiência no ramo, abriram a empresa por necessidade e não planejaram ou tiveram menos tempo para planejar a empresa. Após a abertura, foram identificadas dificuldades gerenciais e de obtenção de empréstimos em bancos.

Outros fatores pontuados são: falta de aperfeiçoamento de produtos/serviços, de investimento na capacitação da mão-de-obra, além de pouca inovação e falta de acompanhamento rigoroso de receitas e despesas. “A sobrevivência ou a mortalidade da empresa é definida por uma série de fatores, que atuam de forma individual ou simultaneamente”, justifica.

A pesquisa mostra, ainda, que a taxa de sobrevivência dos pequenos negócios vem crescendo ano a ano. Das empresas constituídas em 2008, 59,5% sobreviveram nos dois primeiros anos. Daquelas que iniciaram a atividade em 2009 e 2010, 60,1% e 77,2%, respectivamente, estavam em atividade neste período. A partir daí, houve estagnação do aumento da taxa de 77,3%, em 2011, e de 77,4%, em 2012.

Entre os setores econômicos, a indústria e a construção mineira apresentaram o melhor desempenho, 79,8% e 78,3%, respectivamente. No comércio, o índice chegou a 77,5% e nos serviços, 76,3%.

dez-dicas-de-sobrevivencia

 

Publicidade


*

Restam 500 digitos

 

Top