Publicidade

01 de Fevereiro de 2014 - 07:00

Compartilhar
 

PROVA DE FOGO

O público adolescente sempre foi o principal alvo dos trabalhos de Chay Suede. Como foi a novela ''Rebelde'', da Record, e o programa "A hora do Chay", na extinta MTV. Não foi à toa que o convite para protagonizar o episódio "A mão ressequida", da minissérie bíblica ''Milagres de Jesus", foi, para o ator, uma oportunidade de mostrar ao público e a si mesmo que estaria apto para trabalhos mais adultos e densos. "Era a chance de fazer algo totalmente novo na vida. Queria ver se seria capaz de alcançar outro estágio como ator. Fiquei feliz de ver que posso chegar a lugares que nem imaginava", valoriza. Na história escrita por Camilo Pellegrini, Chay vive o bondoso Gerson. Após um período casado com Ada, interpretada por Rayana Carvalho, o personagem tem sua mão contaminada pela peste. Para encarnar um papel de uma época tão longínqua, Chay passou por um workshop com historiadores. "Foi essencial. Não foi um período longo, mas foi muito intenso", explica ele, que gravou algumas sequências em um trigal no Paraná. "Eram locações muito bonitas. Tive de aprender a ceifar o trigo com as mãos. Foi bom para encontrar o tom certo do personagem", explica.


NOS EIXOS

''Pecado mortal'', da Record, trabalha, desde outubro, com uma frente apertada de capítulos. No entanto, Carlos Lombardi começa a respirar aliviado quanto ao cronograma de sua novela. Segundo o autor, a margem entre a entrega de roteiro e as gravações já está com maior folga. Além das trocas de colaboradores, Lombardi e sua equipe enfrentam alguns percalços na utilização das locações.


À DISTÂNCIA

Iris Abravanel está aproveitando uma temporada nos Estados Unidos. No entanto, o período no exterior não significa folga para a autora do remake de "Chiquititas", do SBT. A esposa de Silvio Santos fecha os capítulos da trama jovem via internet em reunião com seus seis colaboradores. E ainda fica em contato com o diretor geral da trama, Reynaldo Boury. Atualmente, Iris trabalha com uma frente de 40 capítulos.


FOI BEM

O crescimento de Paolla Oliveira, a Paloma, ao longo de "Amor à vida". Após um começo insosso, a atriz conseguiu ganhar confiança em suas sequências e protagonizou momentos de emoção em cenas decisivas do folhetim de Walcyr Carrasco.


FOI MAL

O desaparecimento de Vinícius Tardio, o Rafa da trama de ''Além do horizonte''. Um dos protagonistas do folhetim, o ator perdeu importância na história central e quase não aparece durante os capítulos.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor de fechamento de pista em trecho da Avenida Rio Branco para ciclovia nos fins de semana?