Publicidade

05 de Abril de 2014 - 06:00

Compartilhar
 

NA PELE

A carreira artística sempre esteve nos planos de Mel Fronckowiak. A jovem natural de Pelotas, no Rio de Grande do Sul, coleciona as mais diversas experiências como atriz, modelo, cantora e escritora. No entanto, aos 23 anos, a ex-Rebelde ainda quer abrir espaço para novas experiências em seu currículo. Não foi à toa que viu no convite para integrar o elenco da nova temporada de "A liga" uma forma de apresentar uma outra faceta para o público. "Fui atriz acidentalmente e adorei. Mas estou tentando expandir meus horizontes e me aventurar por novos caminhos", afirma. A ideia de trabalhar com jornalismo não é uma novidade na trajetória de Mel. Ainda em sua cidade natal, ela chegou a ingressar na faculdade. Porém, abandonou o curso para se dedicar à carreira de modelo. "Gosto desse formato investigativo do programa. O apresentador não comunica a notícia, ele a vivencia. Quando cursava a faculdade, queria trabalhar com jornalismo social", ressalta ela, que gravou um episódio do programa que tem estreia marcada para a próxima terça, dia 8. "O olhar que eu passo para o público é mais importante que o olhar que o público repousa em mim. É difícil deixar a vaidade fora de cena. Bem diferente de trabalhar fazendo novela", compara.


BALANÇO FINAL

Ricardo Pereira ansiava por uma versatilidade cênica em sua carreira. Por isso, encarou o convite para viver o Fabrício, de "Joia rara", como uma forma de se afastar dos tipos românticos que vinha interpretando com frequência na televisão brasileira. Após mais de sete meses dando vida ao imigrante português, o ator termina a novela de Thelma Guedes e Duca Rachid satisfeito com o resultado final. "Pela primeira vez, fiz um trabalho em que a ideia do romance estava em segundo plano na trama", explica ele, que não apresenta mais a farta barba de seu personagem. Com o fim do folhetim, Ricardo não pretende ficar distante da televisão por muito tempo e já negocia seu retorno com a emissora. "Tudo será revelado ao seu tempo. Por enquanto, vou continuar rodando com a minha peça pelo país", despista ele, referindo-se ao espetáculo "Um sonho para dois".


MISSÃO RESGATE

A audiência em queda do "Fantástico" tem sido umas das principais preocupações da Globo nos últimos anos. Para reverter essa situação, a tradicional revista eletrônica estreia um formato diferenciado a partir do dia 27 de abril. O estúdio do programa, completamente modificado, estará integrado à redação onde os jornalistas trabalham no dia a dia. Uma sala de reunião, uma sala de estar e um café vão receber convidados para participar da produção.


PANELA VELHA

Outro programa que tem perturbado a liderança da Globo é o "Vídeo show". Desde as mudanças no formato e a entrada de Zeca Camargo na apresentação, o programa tem registrado baixos índices de audiência. Em mais uma tentativa de salvar a produção, a equipe liderada por Ricardo Wanddington irá apostar em sucessos do passado. O "Vídeo show" reeditará o ''8 ou 800'', quadro de 1976, que tinha Paulo Gracindo como apresentador e Silvia Bandeira como assistente. Agora, é Otaviano Costa quem comanda o game de perguntas e respostas. Além disso, Zeca Camargo passará a realizar reportagens externas especiais sobre os bastidores da televisão e seu elenco.


MUDANÇAS

Humberto Carrão mudou o visual para viver o jovem Davi em "Geração Brasil", próxima novela das sete. O ator cortou o cabelo para atuar e também passou a usar óculos de grau e barba por fazer. Na trama de Filipe Miguez e Izabel de Oliveira, ele será um hacker carioca que ajuda a promover a educação digital em uma ONG. O personagem luta para que os jovens se interessem pelo desenvolvimento de tecnologia e deixem de agir apenas como consumidores. O folhetim tem estreia prevista para maio.


AGENDA CHEIA

Bianca Bin já tem trabalho garantido após "Joia rara". A atriz está escalada para ''Boogie Woogie'', próxima novela das seis, que substituirá "Meu pedacinho de chão". Assim como a trama de Thelma Guedes e Duca Rachid, o folhetim contará com a direção de núcleo de Ricardo Waddington. A novela tem estreia prevista para 11 de agosto.


FOI BEM

O desempenho de Tatá Werneck e Leandro Hassum apresentando o "Vem aí". A dupla salvou o programa do fracasso total com sua espontaneidade e boas tiradas.


FOI MAL

O desnecessário "Vem aí", produção que apresenta a nova grade da emissora para 2014. A produção foi extremamente sem graça e artificial. Era nítido o desconforto dos artistas da emissora ao longo do programa.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que os resultados do programa "Olho vivo" vão inibir crimes nos locais onde estão as câmeras?