Publicidade

22 de Abril de 2014 - 06:00

Compartilhar
 

FUNÇÃO SOCIAL

O teatro era o principal foco de Ricardo Tozzi após "Amor à vida''. No entanto, o convite da equipe de "Geração Brasil", próxima novela das sete, alterou os planos do ator. Escalado para viver o justo Herval, ele não hesitou em participar da trama que também conta com o texto de Filipe Miguez e Izabel de Oliveira, dupla responsável por "Cheias de charme". "O fato de serem eles novamente contou na minha decisão. É uma equipe incrível e um elenco muito talentoso", valoriza. Na história, o personagem de Tozzi é contra a ideologia de Jonas Marra, papel de Murilo Benício. Além disso, ele também tem um romance mal resolvido com Pamela Parker, esposa de Jonas interpretada por Claudia Abreu. "Ele é o arquiinimigo do império Marra. O meu personagem quer usar a tecnologia para inclusão social. Já o papel do Murilo é mais uma visão mercenária do negócio", explica. Recém-saído da trama de Walcyr Carrasco, Ricardo tinha a necessidade de retornar aos palcos após emendar uma série de novelas. Por isso, negociou com a equipe do folhetim um cronograma diferenciado de gravação. "Eles abriram uma concessão para mim. Eu precisava desse resgate no teatro. De sexta a domingo, eles permitem que eu viaje com a peça", afirma ele, referindo-se ao espetáculo "Enfim nós", com Maria Clara Gueiros.


BARRADO NO BAILE

O Ministério da Justiça vetou a reprise no "Vale a pena ver de novo" de "Cobras & lagartos". A trama de João Emanuel Carneiro teve média de 39 pontos em São Paulo durante sua exibição em 2006. O órgão negou o pedido da emissora para reclassificar o folhetim como impróprio para menores de 10 anos.


POPULAR

Desde sua saída da Record, Gugu Liberato é "objeto de desejo" de diversas emissoras. O apresentador recebeu a proposta de comandar um programa diário e noturno na Band. Além disso, o SBT também demonstrou interesse no retorno do apresentador ao canal de Silvio Santos. Desde que deixou a Record, em julho de 2013, Gugu não engatou nenhum trabalho na TV.


CALENDÁRIO NA MÃO

A Record acertou para junho a estreia de "Vitória", próxima novela da emissora. Escrita por Cristianne Fridman, o folhetim será protagonizado por Thaís Melchior e Bruno Ferrari, que viverão o casal Diana e Arthur. Com direção de Edgar Miranda, a trama terá a missão de alavancar os baixos índices de sua antecessora, "Pecado mortal".


MUNDO BÍBLICO

Gustavo Reiz foi escalado para reforçar o time de autores da nova temporada de "Milagres de Jesus". Atualmente, a equipe é composta por Renato Modesto e Paula Richard. Gustavo assinou trabalhos como "Sansão e Dalila" e "Dona Xepa". A Record planeja produzir mais 20 episódios da minissérie bíblica.


NOMES DE PESO

A volta de João Emanuel Carneiro aos folhetins deve ser marcada por um elenco de peso na Globo. Mariana Ximenes é um dos nomes cotados para participar da novela, que tem estreia prevista para julho de 2015. A diretora de núcleo Amora Mautner já expressou seu desejo de contar com a atriz na trama. Recentemente, Mariana interpretou a vedete Aurora Lincoln em "Joia rara".


RÁPIDAS

# Nesta terça, no episódio de "Tapas & beijos'', Fátima continua na luta para atrair a atenção de Armane.

# Hoje, em "Pé na cova'', Ruço relembra seus bons momentos ao lado de Darlene.

# Nesta terça, a Record exibe o episódio "Melodia macabra", da primeira temporada de "Grimm - Contos de terror".


FOI BEM

A trilha sonora de "Pé na cova" que mistura ''standards'' americanos com clássicos franceses. A produção acaba gerando um "estranhamento" interessante para a história que se passa no Irajá, Zona Norte do Rio de Janeiro.


FOI MAL

O fraco desempenho de Érika Januzza, a Alice de "Em família". Novata na profissão, é notória a falta de preparo da atriz para sustentar uma trama tão densa como a de sua personagem no folhetim de Manoel Carlos.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?