Publicidade

25 de Maio de 2014 - 06:00

Compartilhar
 
Irandhir Santos interpreta Zizo, um poeta que cria um tabloide político
Irandhir Santos interpreta Zizo, um poeta que cria um tabloide político

'Febre do rato'

Zizo é um poeta inconformado, fiel ao anarquismo, que decide criar um pequeno tabloide, o "Febre do rato", publicado com seus próprios recursos. Em uma Recife úmida e escaldante, enfiado na beira de mangues e favelas, o escritor alimenta sua pena cheia de sarcasmos e grossas ironias. As coisas caminham de maneira descontrolada, em um universo particular no qual o sexo é algo tão corriqueiro quanto fumar maconha. Nesse contexto, ele conhece Eneida, uma jovem de 18 anos por quem nutre um forte desejo não correspondido, o que faz com que o poeta reflita sobre suas reais necessidades, para além das palavras. Vencedora do Festival de Paulínia em 2011, como melhor filme, a produção reflete a singularidade do cinema nordestino, que tem no diretor Cláudio Assis, de "Amarelo manga", uma de suas mais originais expressões. Telecine Cult, 22h

"Febre do rato", Brasil, 2011. Direção Cláudio Assis. Com Irandhir Santos, Juliano Cazarré e Nanda Costa. Drama, cor, 120 min.


ESSE AMOR QUE NOS CONSOME

Gatto Larsen e Rubens Barbot são companheiros há mais de 40 anos e acabam de se mudar para um casarão abandonado no Centro do Rio de Janeiro, onde ensaiam com sua companhia de dança, até que o imóvel seja vendido. O dia a dia da dupla envolve a criação artística e a crença nos orixás, e é através da dança que eles marcam os territórios da cidade. Segundo o crítico Fábio Andrade, do Portal Cinética, especializado em cinema, o que torna o filme raro no cenário nacional é a alegria que evoca. Canal Brasil, 22h

"Esse amor que nos consome", Brasil, 2012. Direção Allan Ribeiro. Com Gatto Larsen, Rubens Barbot e Wilson Assis. Drama, cor, 80 min.


DISTÂNCIA

Tomás Choc está a dois dias e 150km de ver novamente Lucía, sua única filha. Sequestrada pelo exército no meio da guerra civil da Guatemala aos 3 anos, a menina passou 20 anos longe do pai. Apesar da dor da ausência, e para que sua história não seja esquecida, Tomás escreve sua experiência de luta, resistência e sobrevivência em um caderno, com a esperança de poder entregá-lo à sua filha algum dia. TV Brasil, 23h

"Distancia", Guatemala, 2011. Direção Sergio Ramírez. Com Carlos Escalante, Saknicté Racancoj e Julián León Zacarías. Drama, cor, 72 min.


Gestos brasileiros

Deborah Colker rodou o mundo com sua companhia de dança e fazendo coreografias para espetáculos para os quais foi convidada. Em "Destino Brasil dança", programa que dá prosseguimento à série que já traçou um panorama da música, do cinema e da gastronomia do país, ela visita diferentes grupos, do "Oiapoque ao Chuí". Reunindo entrevistas e imagens de preparação, ensaios, espetáculos e bastidores, a atração mostra como a cultura local influencia no processo criativo de cada companhia. Em um dos episódios, Deborah conversa com os mineiros dos grupos Corpo e Primeiro Ato, de Belo Horizonte. Ela também vai ao Recife, onde se encontra com coletivo Lugar Comum e a Cia. de Dança da Escola de Frevo, e passa por Florianópolis, em Santa Catarina, para conversar com o Grupo Cena 11. Canal Brasil, 21h


NIVEA VIVA O SAMBA

A nova geração e a velha guarda se encontram para homenagear e cantar o samba hoje. Transmitido ao vivo, direto do Parque da Juventude, em São Paulo, o show que já passou por Rio de Janeiro, Brasília, Recife e Salvador, reúne Alcione, Diogo Nogueira, Martinho da Vila e Roberta Sá contando a história do gênero no Brasil. Do clássico "A voz do morro", de Zé Keti, a "Foi um rio que passou em minha vida", de Paulinho da Viola, o repertório elaborado pelo jornalista e pesquisador Hugo Sukman apresenta "Com que roupa?", de Noel Rosa, "O mundo é um moinho", de Cartola, e outros estandartes do samba. Multishow, 16h30

DE FRENTE COM GABI

Afilhado de Zeca Pagodinho, integrante da ala de compositores da escola de samba Mocidade Independente de Padre Miguel, o cantor Dudu Nobre, natural do Rio de Janeiro, conversa com Marília Gabriela sobre sua vocação para a música, família, carreira e projetos futuros. Com mais de dez discos gravados, o músico, que acaba de completar 15 anos de trajetória musical, faz sua avaliação da nova geração e se emociona ao relembrar momentos marcantes. SBT, meia-noite

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com a retirada das pinturas de Lucio Rodrigues dos pontos de ônibus?