Publicidade

20 de Dezembro de 2013 - 15:46

Por - Agencia Estado

Compartilhar
 

A Organização das Nações Unidas (ONU) informou que 34 mil pessoas no Sudão do Sul buscam refúgio em três bases da organização no país.

O braço humanitário da ONU disse nesta sexta-feira que 20 mil pessoas procuraram abrigo nas duas bases localizadas na capital, Juba, e que outras 14 mil buscaram socorro em Bor, capital do Estado de Jonglei, cenário de violentos episódios nesta semana. Centenas de pessoas de dirigiram para Bentiu, capital do Estado Unidade, onde estão concentrados os campos de petróleo do país.

O quinto voo para retirada de norte-americanos do país estava programado para esta sexta-feira pela embaixada dos Estados Unidos. Um avião alemão também deveria retirar pessoas do Sudão do Sul ainda hoje.

A missão da ONU no Sudão do Sul informou também que dois soldados indianos foram mortos em sua base e um outro ficou ferido.

O embaixador da Índia na ONU, Asoke Mukerji, disse nesta sexta-feira que três soldados das forças de paz de seu país foram mortos por jovens armados que invadiram o complexo da organização em Akobo, no Estado de Jonglei. Um terceiro soldado indiano ficou ferido e foi levado para uma instalação médica da ONU em Malakal.

A missão da ONU emitiu um comunicado nesta sexta-feira condenando "nos termos mais fortes a violência ocorrida em Akobo e que continua em outras partes do país". O documento diz que "pedimos a todos os envolvidos na crise que abstenham-se de mais violência e busquem uma resolução pacífica".

O governo do Sudão expressou, nesta sexta-feira, temores sobre o destino do transporte de petróleo por seu território em razão dos confrontos entre facções rivais no vizinho Sudão do Sul.

O país, que sofre com falta de recursos, deve receber estimados US$ 1,5 bilhão em taxas do Sudão do Sul no ano que vem pelo fluxo de petróleo para exportação que passa por oleodutos instalados em seu território.

O ministro de Informação Ahmed Bilal Osman expressou temores de que os campos de exploração se tornem vítimas dos confrontos entre forças leais ao presidente Salva Kiir e grupos favoráveis a seu ex-vice-presidente,

"Definitivamente, um dos pontos que os dois lados tentarão tomar o controle será os campos de petróleo", talvez como forma de melhorar sua posição de negociação", disse ele. "Trata-se de uma luta por riqueza e poder."

"Estamos muito aflitos com o que está acontecendo no Sudão do Sul. Isso vai afetar todos os países vizinhos. No Sudão, vamos sofrer ainda mais do que nos outros." Fonte: Associated Press. Fonte: Dow Jones Newswires.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você tem percebido impacto positivo das operações policiais nas ruas da cidade?