Publicidade

09 de Dezembro de 2013 - 16:16

Por Paulo Favero - Agencia Estado

Compartilhar
 

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, defendeu nesta segunda-feira que os praticantes de violência em estádios de futebol sejam punidos conforme manda o Estatuto do Torcedor e que estas punições sejam cumpridas à risca. Na opinião dele é esta a fórmula para que não se repitam cenas como as vistas na Arena Joinville na tarde de domingo. "A solução está em não haver impunidade", afirmou ele.

Em visita às obras do Itaquerão, em São Paulo, Rebelo defendeu que os torcedores violentos sejam exemplarmente punidos. "Quantos se envolveram? Tinha não sei quantas mil pessoas no estádio e poucas se envolveram. A prisão é a solução. Quando começarem a serem punidos e presos em flagrante, a violência vai diminuir. Essas cosias já estão previstas no Estatuto do Torcedor, mas têm que ser aplicadas", garantiu ele.

No jogo de empurra-empurra que se tornou a questão da violência no futebol, o procurador geral do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) disse, também na tarde desta segunda-feira, que o governo federal precisa assumir sua parcela de responsabilidade, uma vez que o STJD só pode punir clubes, jogadores e dirigentes, mas não tem como julgar torcedores.

Rebelo também passou a bola para frente. "O campeonato é um evento privado e a responsabilidade é dos organizadores", lembrou ele. Pressionado, o ministro admitiu, porém, que o governo precisa agir. "O governo federal tem a obrigação de cooperar com a agenda de segurança nos estádios", ressaltou.

Entre as medidas, sugeriu a instalação de juizados especiais que possam dar a sentença na hora, punindo os torcedores violentos. Ele cobrou que estes sejam presos, algo que ocorreu parcialmente no confronto entre vascaínos e atleticanos em Joinville, mas que não foi visto em outras brigas ocorridas em estádios brasileiros neste ano.

"É uma minoria de torcedores que pratica atos de violência", ressaltou Rebelo, que lembrou, porém, que o episódio em Joinville só teve tanta gravidade pela ausência de policiamento. "É claro que a ausência da PM fardada foi um fator facilitador", comentou.

Durante a visita de Rebelo ao Itaquerão foi informado que o estádio do Corinthians ficará pronto na primeira quinzena de abril. Depois, na segunda quinzena, será realizado um evento-teste. As obras atrasaram por conta da queda de um guindaste, que matou dois operários.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da proibição de rodeios em JF, conforme prevê projeto em tramitação na Câmara?