Publicidade

13 de Janeiro de 2014 - 11:37

Por André Magnabosco - Agencia Estado

Compartilhar
 

A indústria brasileira negociou 260,475 mil toneladas de papelão ondulado em dezembro, o que representa um novo recorde histórico para os meses de dezembro. O volume representa uma expansão de 2,94% em relação ao mesmo mês de 2012, porém é 13,43% inferior ao registrado em novembro, segundo dados preliminares divulgados nesta segunda-feira, 13, pela Associação Brasileira do Papelão Ondulado (ABPO).

O volume de vendas no acumulado entre janeiro e dezembro alcançou 3,399 milhões de toneladas de papelão, uma expansão de 2,91% em relação a 2012 e novo recorde histórico para o setor. Desde novembro a ABPO indicava que o crescimento do setor ficaria entre 2,5% e 3%, possivelmente mais próximo do topo do intervalo.

As projeções da entidade oscilaram ao longo do ano. Ainda no final de 2012, as projeções da ABPO sugeriam que o setor cresceria aproximadamente 4% no acumulado do ano passado. Diante de números menos robustos no primeiro trimestre, renovados entre junho e agosto, a entidade decidiu reduzir a projeção para aproximadamente 3,5%, número que depois viria a ser revisto para um intervalo entre 2,5% e 3%.

Após assumir a presidência da ABPO, Sergio Amoroso chegou a afirmar que o crescimento das vendas ficaria, possivelmente, mais próximo dos 2,5% do que dos 3%. Mas uma aceleração da demanda, vista a partir de setembro, fez com que o executivo adotasse um tom mais otimista, revisão esta que veio a se confirmar nos números fechados divulgados nesta segunda-feira.

Em dezembro, a indústria brasileira atingiu um novo recorde mensal histórico pelo quarto mês consecutivo. As vendas de 260,475 mil toneladas superaram a marca de 254,340 mil toneladas atingida em dezembro de 2011. Desde setembro o setor tem renovado o recorde histórico de cada mês na série histórica.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você já presenciou manifestações de intolerância religiosa?