Publicidade

10 de Março de 2014 - 22:05

Por Suzana Inhesta - Agencia Estado

Compartilhar
 

As vendas reais do setor supermercadista nacional cresceram 5,36% em 2013 ante 2012, de acordo com o Índice Nacional de Vendas, divulgado nesta quarta-feira, 29, pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras). O indicador foi deflacionado pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em valores nominais, o porcentual de crescimento passa para 11,92%.

O desempenho de 2013 ficou acima da última projeção da Abras, de um crescimento real de 5%. O comportamento positivo do segmento foi observado pela Abras ao longo de 2013, que chegou a elevar duas vezes sua previsão para o ano, que inicialmente era de uma expansão de 3,5%.

"As vendas do setor conseguiram atingir um resultado acima das expectativas iniciais no ano passado. É um resultado para se comemorar, pois é, sem dúvida, um dos melhores desempenhos entre os diversos setores da economia brasileira em 2013", afirmou o presidente do conselho consultivo da Abras, Sussumu Honda.

Para 2014, a entidade se mantém otimista. "Em 2014, esperamos um ano muito parecido com o de 2013, com o PIB crescendo pouco, mas com a manutenção dos baixos níveis de desemprego. Diante desse cenário, calculamos mais um ano de crescimento para o setor, próximo a 3%", disse Honda.

Somente em dezembro, mês de maior movimento devido ao Natal e Ano Novo, as vendas reais dos supermercados cresceram 2,87% ante o mesmo mês de 2012. Na comparação com novembro deste ano, o aumento foi de 20,62%. Em valores nominais, o índice de vendas da Abras em dezembro apresentou crescimento de 8,95% ante dezembro de 2012 e de 21,73% frente a novembro. O volume vendido, porém, ficou a desejar. Conforme índice medido pela Nielsen a pedido da Abras, o crescimento das vendas ficou em 0,8%. )

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que campanha corpo-a-corpo ainda dá voto?