Publicidade

09 de Dezembro de 2013 - 09:49

Por Roberto Godoy - Agencia Estado

Compartilhar
 

Os 63 adidos militares do Brasil cumprem uma função estratégica: fazer a parte da política externa do País por meio de interesses comuns, na delicada área da Defesa. Não é o tamanho do poder de fogo dessas nações que determina a ação, é a capacidade de manter metas de segurança afinadas, agir conjuntamente nos colegiados internacionais e, ainda, abrir negócios. Há casos emblemáticos como o da Namíbia, na África. No fim do século passado, a nação de pouco mais de 2,2 milhões de habitantes, emancipada em 1990, procurava parceiros para montar uma pequena força naval.

O adido da Marinha identificou a oportunidade. Pouco tempo depois o governo brasileiro assinou um acordo bilateral de cooperação. Doou aos namibianos o navio patrulha Purus, desativado pela esquadra e reformado. Abriu o acesso às escolas de formação de oficiais - desde 2004 foram recebidos cerca de 400 alunos.

O governo de Windhoek comprou em estaleiros do Nordeste novos navios e lanchas. O bom relacionamento produz ali resultados de longo prazo: a Petrobrás mantém no país um programa de exploração das amplas reservas locais de óleo e gás. Segundo um diplomata do Ministério das Relações Exteriores, "o Brasil não projeta poder - o Brasil faz aliados, e os adidos são peças importantes do processo". As informações são do jornal

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?