Publicidade

05 de Dezembro de 2013 - 16:58

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

Para escapar do rebaixamento, o Vasco não depende só dele. Precisa também torcer contra Coritiba ou Criciúma. Mas o técnico Adilson Batista quer que a equipe tente ignorar o que estiver acontecendo no Maracanã e em Itu enquanto joga diante do Atlético-PR, domingo à tarde, na Arena Joinville.

"O que não podemos é nos abater em função de ouvir gritos, resultados. Foi algo que percebi no último domingo. Isso gerava desconforto, certa tristeza. Temos que nos concentrar, fazer nosso jogo", comentou o técnico Adilson Baptista.

A referência ao fim de semana passado é porque, enquanto o Vasco vencia o Náutico, todos os demais times que brigam contra o rebaixamento venciam seus jogos. Assim, pouco adiantou o triunfo vascaíno e os jogadores demonstravam isso no Maracanã.

Para escapar do rebaixamento, o Vasco tem que vencer o Atlético-PR e torcer por um empate ou derrota do Coritiba contra o São Paulo, em Itu, ou para que o Criciúma perca do Botafogo, no Rio. Se empatar em Joinville, até teria como escapar, mas para isso conta com uma goleada do São Paulo, além de um tropeço do Flu.

Apesar da necessidade de uma vitória, Adilson cobra que o time não se desespere. "O Vasco tem que ir com tudo para vencer o jogo lá, mas não é com cinco na frente, não é com desorganização, não é loucura que você consegue."

Ele lembrou que a equipe deve saber jogar com paciência. "Precisamos ser equilibrados e sabedores de que precisamos vencer, independente de outro resultados que não sejam bons para a gente. O que vou pedir a eles é calma", completou Adilson, lembrando que um gol favorável ao Vasco pode sair a qualquer momento em outros estádios e que, para que este gol ajude, a equipe carioca precisa estar fazendo a sua parte.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?