Publicidade

09 de Janeiro de 2014 - 19:46

Por Marcelo Portela - Agencia Estado

Compartilhar
 

O senador Aécio Neves (PSDB-MG), principal padrinho político do governador de Minas Gerais, o também tucano Antonio Anastasia, confirmou nesta quinta-feira , 9, que o atual comandante do Executivo mineiro deve se afastar do cargo em março para disputar uma vaga no Senado. Aécio almoçou com Anastasia e o vice-governador Alberto Pinto Coelho (PP) na sede do governo de Minas e afirmou que essa é a discussão "mais objetiva" em torno da sucessão estadual.

"Estamos discutindo a permanência ou não do governador Anastasia até o fim do mandato. Não há uma definição tomada, mas há uma possibilidade concreta de afastamento do governador Anastasia no fim de março", disse, após o almoço. "Confirmando-se essa possibilidade, que eu diria que caminha para a maior probabilidade, o vice-governador assume o mandato", acrescentou.

Alberto Pinto Coelho foi um dos nomes que cogitou disputar a sucessão ao governo de Minas, ao lado de tucanos como os deputados federais Marcus Pestana e Nárcio Rodrigues, mas Aécio adiantou que há um "consenso" entre os aliados no Estado - a aliança em torno da eleição de Anastasia foi composta por 12 legendas - "de que o candidato a governador deve ser do PSDB". O preferido do senador, que precisa de um palanque forte no Estado para sua provável candidatura presidencial, é o ex-ministro Pimenta da Veiga.

Sobre as articulações para a formação da aliança em Minas, Aécio defendeu uma espécie de "armistício" com o PSB presidido pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos, que também já adiantou a intenção de participar da corrida presidencial em outubro. Em Minas, o PSB integra a base do governo tucano desde a primeira eleição de Aécio para o governo, em 2002, e rachou com o PT para se coligar ao PSDB na reeleição do prefeito de Belo Horizonte, o socialista Marcio Lacerda, no ano passado.

Mas a direção do PSB mineiro já divulgou a intenção de lançar candidato ao governo mineiro para garantir palanque para Campos no segundo maior colégio eleitoral do País. "O PSB governa conosco. No que depender da minha vontade, da minha ação, o PSB deverá continuar conosco e acho que há espaço para isso. Mas é uma decisão do PSB", declarou Aécio, que confirmou a possibilidade de o PSDB apoiar um candidato socialista em Pernambuco. "Não é impossível que isso ocorra, independentemente de isso ser uma moeda de troca. São as circunstâncias locais", concluiu o senador.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que alertas em cardápios e panfletos de festas sobre os riscos de dirigir sob efeito de álcool contribuem para reduzir o consumo de bebidas por motoristas?