Publicidade

03 de Dezembro de 2013 - 16:06

Por José Maria Tomazela - Agencia Estado

Compartilhar
 

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou nesta terça-feira, 03, em Sorocaba, estudos para a construção de vias marginais na rodovia Castelo Branco, entre o km 20, em Barueri, e o km 32, em Itapevi. O trecho está entre os mais movimentados do País, com trânsito diário de 224,3 mil veículos - 102,7 mil no sentido da capital e 121,6 indo para o interior, segundo dados do Departamento de Estradas de Rodagem (DER). O objetivo é reduzir os congestionamentos e melhorar o acesso à capital.

Segundo o governador, o projeto da Agência de Transportes do Estado de São Paulo (Artesp) prevê duas pistas adicionais em cada lado da rodovia, interligando com as marginais já existentes, entre o Cebolão e o acesso a Tamboré e Alphaville. O estudo, em conjunto com a concessionária do sistema, prevê ainda 'marginais das marginais' no trecho entre o km 18 e 25, em ambos os sentidos, e melhorias no acesso à cidade de Osasco. Como não estão previstas no contrato de concessão, as obras dependerão de negociação com a concessionária para o reequilíbrio econômico-financeiro do contrato.

De acordo com o governador, a ampliação da malha viária em regiões metropolitanas deve vir acompanhada de investimentos em transporte de alta capacidade, como os trens. "Há 13 anos, tínhamos 12 milhões de veículos no Estado, hoje são quase 25 milhões, ou seja, a frota dobrou. Em 2001 inauguramos as marginais da Castelo e, 15 anos depois, a rodovia estava parando. Fizemos o Rodoanel e agora está parando de novo." Segundo o governador, os projetos de trens expressos entre São Paulo e as regiões de Campinas, Sorocaba e São José dos Campos estão avançados e devem contribuir para reduzir os gargalos nas rodovias. Há ainda o projeto de um monotrilho entre São Paulo e Cotia, no eixo da rodovia Raposo Tavares.

Alckmin deu início à duplicação da rodovia João Leme dos Santos (SP-264), num trecho de 17,5 km, entre Sorocaba e Salto de Pirapora. A obra vai custar R$ 114,2 milhões, mas o governo estadual vai gastar mais R$ 27 milhões em desapropriações. A rodovia terá três faixas de cada lado no trecho de quatro quilômetros entre Sorocaba e Votorantim, seguindo até Pirapora com duas faixas. Haverá ciclovia em toda a extensão. Estão previstos três viadutos, cinco rotatórias, sete passarelas e uma ponte, além de calçada para pedestres. Em pista simples, a rodovia recebe 12,2 mil veículos por dia e registrou mais de duzentos acidentes este ano, com oito mortes.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você pretende substituir o ovo de Páscoa por outros produtos em função do preço?