Publicidade

06 de Dezembro de 2013 - 11:26

Por Cynthia Decloedt - Agencia Estado

Compartilhar
 

As captações de renda fixa doméstica continuaram sendo a principal fonte de recursos das companhias brasileiras em novembro e no acumulado do ano, informou o boletim da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima). Em novembro, as emissões de títulos de renda fixa no mercado local somaram R$ 4,037 bilhões, uma queda de 34% em relação a novembro do ano passado. No acumulado de 2013, o total captado caiu 24% para R$ 109,933 bilhões.

As ofertas internacionais com títulos de dívida e instrumentos de securitização diminuíram 38% em novembro para US$ 3,5 bilhões, em relação ao mesmo mês de 2012.

Entre janeiro e novembro, as captações externas somaram US$ 37,84 bilhões, 24,7% abaixo do registrado no acumulado de 2012. A Anbima destaca que no período de 11 meses houve aumento das captações por parte do governo e de bancos de fomento brasileiros, enquanto as instituições financeiras foram os emissores que mais reduziram suas operações internacionais em comparação a 2012, em 56,4%.

No acumulado de 2013, o volume de captações externas por bancos de fomento atingiu US$ 2,5 bilhões e do governo somou US$ 4,050 bilhões, contra zero e US$ 3,867 bilhões no acumulado de 2012, respectivamente. As instituições financeiras captaram lá fora US$ 7,106 bilhões entre janeiro e novembro, contra US$ 17,101 bilhões no mesmo intervalo do ano passado.

As emissões de debêntures continuaram dominando as captações domésticas de renda fixa em novembro e no acumulado do ano, segundo boletim divulgado pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima), nesta sexta-feira, 6. Mas os aumentos são menores do que os mesmos respectivos períodos de 2012. De acordo com a associação, a conjuntura econômica, com a reversão do processo de queda das taxas básicas de juros e o aumento da volatilidade dos indicadores ao longo do ano prejudicaram os volumes.

Em novembro, as captações por debêntures caíram 40% frente ao mesmo mês de 2012, para R$ 1,735 bilhão. Em novembro do ano passado, essas operações somaram R$ 2,925 bilhões. Entre janeiro e novembro, as emissões de debêntures alcançaram R$ 57,543 bilhões, uma redução de 23% em relação aos R$ 74,854 bilhões captados no mesmo intervalo do ano passado.

A Anbima destacou o desempenho das ofertas de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), que de janeiro a novembro de 2013 somam R$ 12,4 bilhões, com crescimento de 30,9% em relação ao do mesmo período de 2012. Segundo a Anbima, os CRIs foram o único instrumento de renda fixa com desempenho em 2013 superior ao de 2012.

Não houve emissões de instrumentos de renda variável em novembro, contra R$ 557 milhões em novembro de 2012. No acumulado de 2013, foram emitidos R$ 20,4 bilhões, um aumento de 79,5% em relação a janeiro e novembro de 2012, o outro único instrumento, além dos CRIs, com elevação no desempenho este ano.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com a multa para o consumidor que desperdiçar água, conforme anunciou o Governo de São Paulo?