Publicidade

18 de Dezembro de 2013 - 16:55

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

Foi uma verdadeira batalha, mas a seleção brasileira feminina de handebol fez história nesta quarta-feira. Depois de duas prorrogações, a equipe derrotou a poderosa Hungria por 33 a 31 pelas quartas de final do Campeonato Mundial da Sérvia, em Belgrado. Desta forma, o Brasil se garantiu entre os quatro melhores países da competição pela primeira vez.

Com o resultado, o time brasileiro comprovou o crescimento da modalidade no País, se colocando de uma vez por todas como uma das grandes potências do handebol feminino. Anteriormente, a melhor campanha do Brasil em um Mundial havia sido em 2011, com a quinta colocação em São Paulo. Nos Jogos de Londres, no ano seguinte, as comandadas de Morten Soubak alcançaram a sexta colocação.

E a forma como veio a histórica vitória desta quarta só valorizou o feito das brasileiras. Diante da Hungria, um dos países mais tradicionais no handebol feminino, o jogo foi cheio de possibilidades para ambos os lados, e foram necessárias duas prorrogações para defini-lo. Agora, o Brasil espera para conhecer sua adversária na semifinal: Dinamarca ou Alemanha, que se enfrentam ainda nesta quarta.

O Brasil começou melhor nesta quarta-feira e conseguiu abrir boa vantagem, mas exagerou nas faltas e teve muitas suspensões por dois minutos. Em certo momento, chegou a ficar com três jogadoras a menos em quadra, e a Hungria encostou. Mesmo assim, terminou o primeiro tempo em vantagem: 12 a 11.

A Hungria já havia melhorado sua defesa e manteve esse cenário para o segundo tempo. O time europeu buscou o empate após sete minutos e virou momentos depois. A partir daí, o máximo que o Brasil conseguiu foi empatar novamente, mas as húngaras mostravam calma, experiência e voltavam a abrir dois gols de frente.

Os minutos finais foram emocionantes e o placar alternava entre vantagem húngara e empate. O nervosismo pareceu tomar conta das duas equipes, que não conseguiam ir à rede adversária nos últimos momentos da partida. Com um minuto restando, o Brasil perdeu a posse de bola e a Hungria teve a chance derradeira, mas o jogo foi mesmo para a prorrogação.

No tempo extra, o Brasil começou muito nervoso e não conseguiu marcar no primeiro tempo. Mas na etapa final, a Hungria teve uma suspensão por dois minutos e a seleção aproveitou para virar o placar. Com menos de 30 segundos, no entanto, quando segurava o resultado, levou novamente o empate.

Na segunda prorrogação, o time brasileiro voltou a ter problemas com suspensões de dois minutos, perdendo Duda e Deonise - esta, suspensa pela terceira vez, foi excluída da partida. Mesmo assim, na etapa final, a seleção se recuperou. Com gols de Alexandra Nascimento e Mayara abriram dois de vantagem e asseguraram o triunfo.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?