Publicidade

11 de Março de 2014 - 06:42

Por Paulo Favero - Agencia Estado

Compartilhar
 

O jovem Gabriel, que entrou no final do clássico contra o São Paulo, reclamou que o goleiro Rogério Ceni tem a função de juiz dentro de campo. O jogador do Santos lamentou que o árbitro Marcelo Aparecido de Souza voltou atrás na marcação de um pênalti nos acréscimos e creditou isso ao capitão tricolor. "O Rogério manda no jogo. Pelo que eu vi o bandeirinha não levantou. Foi pênalti", disse o garoto, indignado.

Aos 45 minutos do segundo tempo, em um lançamento para o ataque, a bola sobrou para Rildo, que foi derrubado por Paulo Miranda. O juiz marcou pênalti, mas o lateral Alvaro Pereira percebeu a inquietação do bandeirinha e chamou a atenção do juiz para que ele ouvisse seu auxiliar. Os dois conversaram e a arbitragem voltou atrás, anulando a penalidade. Rogério Ceni também participou da discussão e pressionou.

Apesar da bronca, o técnico Oswaldo de Oliveira preferiu minimizar a reclamação de seu pupilo e colocou toda a responsabilidade em cima da arbitragem. "O Rogério é uma pessoa que prezo muito, um jogador fantástico e um atleta maravilhoso, que tenho a honra de dizer que é meu amigo. Faz gol, pega bola como aquela cabeçada do Damião, e o que ele faz não é problema dele, que defende as cores do clube. Quem deveria coibir é o árbitro", comenta.

O goleiro Aranha, por sua vez, também viu como uma certa ingenuidade do menino reclamar. Para ele, seu rival são-paulino está certo em defender o seu clube. "O Rogério é um goleiro muito experiente, e usou isso da melhor maneira para beneficiar o São Paulo. Ele não está errado. Hoje em dia tem muitas câmeras e imagens para mostrar o que é certo e errado", explicou.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que a Justiça agiu corretamente ao permitir, por habeas-corpus, a soltura dos ativistas presos durante a Copa?