Publicidade

30 de Dezembro de 2013 - 19:54

Por Lucas Azevedo - Agencia Estado

Compartilhar
 

A bióloga brasileira Ana Paula Maciel, 31 anos, militante ambientalista que passou dois meses presa e outros 40 dias retida na Rússia, se encontrou na manhã desta segunda-feira, 30, com o governador gaúcho Tarso Genro. Na reunião, no Palácio Piratini, sede do governo, a ativista do Greenpeace agradeceu o apoio por sua libertação - "sem o apoio do governo do RS e da presidenta Dilma Rousseff eu não estaria aqui hoje"- , mas criticou as usinas de carvão no RS.

"O carvão é uma das fontes de energia mais perigosas para o clima, porque emite uma grande quantidade de carbono à atmosfera. Sabemos também que as reservas de carvão do Estado são de má qualidade, o que piora a situação. Já existem alternativas tecnológicas para se gerar energia limpa e renovável. Agora precisamos de vontade política", ressaltou.

Em resposta, Tarso Genro chamou a atenção para o investimento do governo gaúcho em energia limpa, como a eólica, e em formas mais eficientes ecologicamente de lidar com os combustíveis fósseis.

Ana Paula fez críticas também à exploração do pré-sal. Segundo ela, é grande a possibilidade de uma catástrofe com o vazamento de prtróleo no mar da costa brasileira. "Estamos arriscando um derramamento tão sério e catastrófico quanto o do Golfo do México."

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?