Publicidade

09 de Janeiro de 2014 - 11:10

Por Aline Bronzati - Agencia Estado

Compartilhar
 

Os grandes bancos de varejo no Brasil estão aproveitando os gastos de início de ano para ofertar linhas de crédito específicas para este fim. Além das despesas que restaram das festas de fim de ano e férias, há ainda os tradicionais desembolsos a serem feitos agora com impostos como IPTU, IPVA e outros, como os com escola. As taxas cobradas nos empréstimos variam conforme o perfil e histórico do cliente e o prazo pode chegar em até 58 vezes dependendo da instituição.

O Santander anunciou esta semana uma linha específica para esses gastos. Com taxas que iniciam em 1,29% ao mês e parcelamento até 48 meses, o banco espanhol vai atender a demanda de clientes interessados em parcelar suas dívidas de início de ano até o final de janeiro. Para isso, reduziu os juros cobrados em relação ao ano passado que começavam em 1,49% ao mês.

Em alguns casos, conforme informou o Santander ao

No Bradesco, a taxa do crédito para gastos de início de ano é definida com base no perfil e o relacionamento do cliente com o banco. A linha, com prazo de um a 12 meses e carência de 15 a 59 dias para pagamento da primeira parcela, está disponível para contratação até o final de março. A cobrança do imposto sobre operações financeiras (IOF), conforme o Bradesco, é financiada e embutida na prestação.

Itaú Unibanco, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal não têm linhas específicas para financiar as despesas tradicionais de início de ano, mas ofertam produtos que se enquadram nas necessidades dos clientes neste período. "Orientamos os clientes a usar o crédito conscientemente e a utilizar uma linha que mais se ajuste a necessidade deles", informa o Itaú, por meio de sua assessoria de imprensa.

Já o Banco do Brasil oferece uma modalidade de crédito direto ao consumidor (CDC) que pode ser utilizada no pagamento de tributos, como IPVA e IPTU, taxas, convênios de arrecadação e boletos bancários (emitidos ou não pela instituição). A linha tem prazo máximo de 58 vezes e até 59 dias de carência para quitação da primeira parcela. As taxas de juros cobradas iniciam em 2,28% ao mês e variam conforme o número de prestações.

Embora também não tenha um produto de prateleira sob medida para os gastos de começo de ano, a Caixa Econômica Federal disponibiliza algumas linhas de financiamento que podem ser adaptadas às despesas tradicionais desta época. Uma delas é o Penhor Caixa, na qual o cliente toma um empréstimo deixando como garantia joias, metais nobres, diamantes, pedras preciosas, pérolas cultivadas, canetas, relógios de "alta gama" e mercadorias. A taxa cobrada é de 1,50% ao mês. O banco também disponibiliza uma linha de crédito para correntista sem fim específico, na qual exige garantia real que pode ser um imóvel.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o subsídio do Governo vai alavancar a aviação regional?