Publicidade

11 de Março de 2014 - 01:11

Por AE-AP - Agencia Estado

Compartilhar
 

Joseph Blatter confirmou nesta sexta-feira que lutará para se reeleger presidente da Fifa, no próximo ano, caso ao menos boa parte dos membros das federações filiadas à entidade peça para ele lutar para concorrer ao seu quinto mandato à frente do organismo que controla o futebol mundial. O dirigente suíço já vem dando sinais há algum tempo de que irá buscar uma nova reeleição, mas já avisou que planeja definir sua candidatura apenas em junho, durante o Congresso da entidade, marcado para acontecer nos dias 10 e 11, em São Paulo, na véspera da abertura da Copa do Mundo no Brasil.

Blatter, que irá completar 78 anos no próximo dia 10 de março, está em Sochi, na Rússia, para acompanhar a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno e falou sobre o seu futuro na Fifa em entrevista à emissora estatal de TV suíça RTS. O mandatário afirmou que "não diria não" se filiados à entidade clamassem pela sua participação como candidato na eleição presidencial marcada para ocorrer em 2015, já quando ele estará com 79 anos.

A idade avançada, porém, não é vista por Blatter como obstáculo para a sua continuidade à frente da Fifa. "Estou bem de saúde e não vejo por que eu deveria pensar agora em parar o trabalho, sobre a consolidação da Fifa", disse o suíço, para depois enfatizar: "Se as federações membro me pedirem para ser candidato, eu não diria não".

No comando da Fifa desde 1998, Blatter chegou a afirmar inicialmente que este seria o seu último mandato, após ter sido reeleito em 2011, mas reavaliou os seus planos por ainda contar com forte apoio pela sua permanência no cargo. "Há muitas pessoas que dizem que é necessário prosseguir, que continuar é necessário, que não é necessário parar", afirmou o dirigente nesta sexta.

Blatter deu este claro sinal de que buscará nova reeleição na Fifa um dia depois de voltar a expressar indignação contra o estabelecimento de um limite de idade para dirigentes de entidades esportivas. Durante assembleia geral do Comitê Olímpico Internacional (COI), do qual é membro desde 1999, ele disse que impor um limite desta ordem é "um ato de discriminação".

No mês passado, Jérôme Champagne anunciou oficialmente a sua candidatura à presidência da Fifa. Ex-vice-secretário geral do organismo que controla o futebol mundial, o francês de 55 anos de idade espera reunir forças para suceder o dirigente suíço. Ex-diplomata para França, Champagne deixou a Fifa em 2010, depois de 11 anos trabalhando para a entidade, e antes de entrar para o mundo do futebol atuou por quatro anos como vice-cônsul geral de seu país em Los Angeles, nos Estados Unidos.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Governo federal deve refinanciar as dívidas dos clubes de futebol?