Publicidade

06 de Dezembro de 2013 - 15:55

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

Finalistas da última edição da Copa do Mundo, Holanda e Espanha são grandes favoritas para enfrentar o Brasil, caso se classifique, nas oitavas de final do Mundial de 2014. Isso porque o sorteio realizado nesta sexta-feira, na Costa do Sauipe, na Bahia, colocou holandeses e espanhóis no Grupo B, exatamente do qual virão os adversários do Grupo A, do Brasil, na segunda fase da Copa.

Se a seleção brasileira avançar como primeira colocada do seu grupo, jogará nas oitavas de final contra o segundo colocado do Grupo B, no Mineirão, em Belo Horizonte. Já se o Brasil passar em segundo, pegará o melhor do Grupo B, em Fortaleza.

Campeão mundial e bi da Eurocopa, a Espanha lidera o ranking mundial. A Holanda, por sua vez, teve uma campanha quase perfeita nas Eliminatórias, mas foi eliminada na primeira fase da Euro. Por isso, é apenas a 12.ª do ranking mundial, o que a impediu de ser cabeça de chave. Além dos dois favoritos, que se enfrentam na estreia, em Salvador, o Grupo B tem Chile e Austrália.

Caso confirme o favoritismo, avance em primeiro e passe também das oitavas, o Brasil pode enfrentar um dos seus mais duros algozes. Isso porque a chave indica que o próximo adversário sai do confronto entre o primeiro do Grupo C (de Colômbia, Grécia, Costa do Marfim e Japão) e o segundo do Grupo D. O problema é que nesta chave estão Itália, Uruguai e Inglaterra, além da Costa Rica.

Já se passar da primeira fase na segunda colocação, a seleção brasileira enfrentaria, nas quartas, rivais dos mesmos Grupos C e D, com a diferença que, no outro lado da chave, os adversários seriam o segundo do Grupo C e o primeiro do Grupo D.

Na semifinal, independente de qual posição passar, o adversário do Brasil será uma das seleções dos grupos restantes (E, F, G e H).

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?