Publicidade

10 de Março de 2014 - 22:04

Por Carla Araújo - Agencia Estado

Compartilhar
 

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) paulistanas registrou queda de 8,7% em janeiro na comparação com o mesmo mês do ano passado, chegando à marca dos 124,8 pontos, informou nesta quarta-feira, 29, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de São Paulo (FecomercioSP). Em relação a dezembro, a retração foi de 0,4%.

O índice elaborado pela FecomercioSP teve grande influência negativa do item que avalia a disposição para compra de bens duráveis, que na comparação com janeiro de 2013 recuou 32% e ante dezembro registrou queda de 15,2%. "O mau momento, na perspectiva dos consumidores, foi provocado pela recente escalada inflacionária, pelo encarecimento do crédito e pela elevação de alíquotas do IPI para determinados produtos. Também teve impacto negativo a desvalorização do real frente ao dólar", afirmou a FecomercioSP, em nota.

O item que estima a perspectiva de consumo foi o único dos sete avaliados a apresentar alta em janeiro, tanto na comparação com dezembro (2,1%), quanto na relação com o mesmo mês do ano passado (8,4%).

De acordo com o levantamento, pelo oitavo mês consecutivo as famílias com renda a partir de dez salários mínimos se mostraram menos satisfeitas do que as que ganham menos do que esse valor. Para o primeiro grupo, o indicador em janeiro foi de 119,2 pontos. Já para aqueles com renda inferior a dez salários mínimos a ICF chegou a 126,7 pontos.

A ICF é calculada com dados de 2,2 mil consumidores no município de São Paulo. O índice é composto por sete itens: emprego atual, perspectiva profissional, renda atual, acesso ao crédito, nível de consumo atual, perspectiva de consumo e momento para duráveis. O indicador vai de 0 a 200 pontos, no qual abaixo de 100 pontos é considerado insatisfatório e acima de 100 é denotado como satisfatório.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que a Justiça agiu corretamente ao permitir, por habeas-corpus, a soltura dos ativistas presos durante a Copa?