Publicidade

10 de Março de 2014 - 21:46

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

A caixa preta do guindaste que quebrou em 27 de novembro no canteiro de obras do Itaquerão, provocando a morte de dois operários, não armazenou registros do dia do acidente. A informação foi divulgada nesta terça-feira pela construtora Odebrecht, responsável pela construção do estádio do Corinthians, com base em comunicado que recebeu do Ministério do Trabalho e Emprego.

Segundo o comunicado, a empresa alemã Liebherr, fabricante do guindaste, informou ao Ministério do Trabalho e Emprego que a caixa preta não teve registros do acidente. Diante disso, uma das principais linhas da investigação sobre as causas do ocorrido ficaria comprometida.

No dia 27 de novembro, o guindaste quebrou e caiu na fachada leste do estádio, provocando estragos na obra e a morte de dois operários. Por causa do acidente, a construção do Itaquerão sofreu um atraso de cerca de três meses, adiando a inauguração para abril - apesar disso, o local foi mantido como palco da abertura da Copa do Mundo.

Para investigar as causas do acidente, a caixa preta foi retirada do guindaste e enviada para análise na empresa na Alemanha. A Odebrecht lembra que "o dispositivo deveria registrar todas as etapas da operação", mas, segundo as informações agora divulgadas, isso não aconteceu.

"Causa-nos profunda estranheza e perplexidade essa alegação, uma vez que tais registros poderiam esclarecer se houve eventual erro humano e/ou eventual falha do equipamento e/ou eventual anomalia no comportamento do solo naquela operação de içamento da última peça da cobertura do estádio", diz a nota da construtora.

Diante da informação, a Odebrecht diz que "espera que o fabricante venha a público prestar esclarecimentos técnicos a respeito do ocorrido, bem como dar a devida satisfação às famílias das vítimas, à sociedade brasileira e às autoridades que investigam o acidente".

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com a retirada das pinturas de Lucio Rodrigues dos pontos de ônibus?