Publicidade

05 de Dezembro de 2013 - 15:25

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

Danilo di Luca, campeão em 2007 do Giro D'Itália, uma das três provas mais tradicionais do ciclismo mundial, está banido do esporte. Nesta quinta-feira, o tribunal antidoping do Comitê Olímpico Italiano deu seu veredicto sobre o caso e resolveu impor a punição mais dura possível ao atleta que caiu no doping pela terceira vez na carreira.

Aos 37 anos, Di Luca testou positivo para a chamada dopagem sanguínea num teste realizado em abril, apenas cinco dias antes do Giro deste ano. Ouvido pelo tribunal em setembro, o ciclista não negou o doping e apenas disse que o caso "não vai mudar muito" para os seus fãs.

O italiano ainda pode recorrer à Corte Arbitral do Esporte (CAS), baseada na Suíça, mas nada indica que ele possa vencer a causa. Assim, se juntará a Lance Armstrong na lista de grandes ciclistas que estão banidos para sempre do esporte.

O doping, terceiro da carreira do ex-campeão, foi anunciado já na reta final do Giro e fez Di Luca não apenas ser expulso do hotel da sua equipe, a Vini Fantini, que o demitiu, como tornou ele alvo de críticas vindas de todos os lados. O diretor da prova Mauro Vegni, por exemplo, afirmou que "Danilo pertence a uma geração que competiu através do sistema de doping".

Já o chefe da equipe Vini Fantini foi mais duro: "Di Luca é um idiota. Eu nunca quis ele. Ele precisa ser ajudado", completou Luca Scinto, garantindo que foi contra a chegada do ciclista, uma semana antes do começo do Giro.

A primeira punição ao italiano aconteceu em 2007, porque ele fez visitas regulares a Carlo Santuccione, um psicanalista que foi pivô de uma longa investigação sobre o doping no esporte. Na ocasião, não foi provado que Di Luca se dopava.

Depois, em 2009, o ciclista levou dois anos de suspensão ao testar positivo para CERA, uma avançada forma de EPO (o hormônio eritropoietina). A punição, no entanto, foi reduzida a sete meses porque Di Luca colaborou com as investigações.

MAIS DOPING - Também nesta quinta-feira, o tribunal antidoping do Comitê Olímpico Italiano decidiu suspender por três anos o fundista Devis Licciardi, que tentou burlar o exame de urina colhida dele durante o campeonato italiano de corrida de rua, em setembro. A namorada dele, Sara Malpetti, que o ajudou a burlar o exame, foi banida por 3 anos e meio. Ela corre pelo time da Aeronáutica italiana.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?