Publicidade

02 de Dezembro de 2013 - 15:33

Por Angela Lacerda - Agencia Estado

Compartilhar
 

O governador de Pernambuco e presidente nacional do PSB, Eduardo Campos, minimizou nesta segunda-feira, 2, o resultado da última pesquisa do Instituto Datafolha, em que caiu na preferência do eleitorado e passou a contar com 11% das intenções de voto. De acordo com Campos, "as pesquisas continuam a dizer exatamente a mesma coisa, que há um forte desejo de mudança nunca visto a um ano da eleição, com 66% da população desejando mudança".

Ele observou que com, os levantamentos simulados com nomes desconhecidos nacionalmente - com taxas que variam de 25% a 50% para quem tem conhecimento -, a leitura mais correta das pesquisas neste momento, a um ano da eleição, é a "dos ventos". "É o sentido da eleição", afirmou, na reinauguração de uma maternidade-escola, no Recife.

"Na última eleição, em 2010, a esta altura, 75% da população queria continuidade, agora se inverteu o sentido da seta, do vento." Campos afirmou ainda que, se forem observadas as outras eleições, quem estava na frente a um ano do pleito não ganhou. Exemplificou com o ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) que tinha 40% da preferência e um ano depois, em 2010, perdeu.

O governador de Pernambuco e presidente nacional do PSB reforçou que o partido e a Rede Sustentabilidade estão ocupados na construção programática de uma proposta de governo. "Não é o tempo da construção eleitoral", observou. "É o tempo de discutir os problemas brasileiros, de ver o caminho das soluções, como o Brasil retomar o desenvolvimento, como preservar as conquistas que começam, efetivamente, a ser perdidas, como o ciclo de desconcentração de renda." Campos afirmou que o índice de Gini (medida de distribuição de renda) já aponta para uma reconcentração de renda no Nordeste. "Este é que é o nosso desafio."

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você pretende substituir o ovo de Páscoa por outros produtos em função do preço?