Publicidade

03 de Dezembro de 2013 - 16:04

Por Ricardo Brito e Débora Álvares - Agencia Estado

Compartilhar
 

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou nesta terça-feira, 03, em audiência pública na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, que atuou conforme seu dever como ministro ao encaminhar documentos contendo denúncias de corrupção contra políticos e formação de cartel no transporte de trens de São Paulo e em Brasília.

A audiência no colegiado transcorre sem o propalado clima beligerante desde a semana passada. A oposição chegou a pedir a demissão do ministro, sob a acusação de usar a apuração para abafar as prisões do mensalão. Em resposta, o ministro disse que iria processar quem o caluniou.

Cardozo disse que, em maio, recebeu em sua casa em um final de semana o deputado estadual Simão Pedro (PT-SP), que lhe entregou denúncias apócrifas sobre o caso. O ministro disse ter encaminhado os documentos para a avaliação do diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, que também está presente na audiência da CCJ do Senado. Cardozo não quis falar sobre o conteúdo dos documentos, que alega estar sob sigilo.

Segundo o ministro, ao mesmo tempo o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), órgão também vinculado ao Ministério da Justiça, apurava em um procedimento administrativo denúncias de formação de cartel no metrô. Ele disse que a Siemens firmou um acordo de leniência com o órgão no qual reconheceu ter praticado condutas irregulares.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você participa das celebrações da Semana Santa?