Publicidade

11 de Março de 2014 - 20:45

Por Thaise Constancio - Agencia Estado

Compartilhar
 

O delegado Pedro Henrique Medina, da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DH-Baixada) assumiu as investigações sobre o assassinato do jornalista Pedro Palma, morto em 13 de fevereiro com três tiros na porta de casa. O caso foi transferido nesta segunda-feira, 24, da 96ª Delegacia de Polícia, em Miguel Pereira, no Centro-Sul do Estado, para a DH-Baixada, em Belford Roxo, à pedido do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ). As investigações correm em sigilo.

"Temos mais recursos para investigar o caso. Vamos ouvir novamente as partes e rever as provas para conduzir as investigações", afirmou Medina ao Estado. Na semana passada, o delegado Murilo Montanha, da 96ª DP, se reuniu com o chefe de Polícia Civil, delegado Fernando Veloso, para definir qual delegacia conduziria as investigações.

Palma foi assassinado na porta de casa quando chegava do trabalho, por volta das 19h30. Dois homens de capacete passaram em uma moto, chamaram por ele e fizeram os disparos, acertando dois tiros no peito e um no ombro. As imagens da câmeras de segurança da casa do jornalistas foram entregues pela família ao delegado Montanha.

Palma era dono e único repórter do jornal semanal Panorama Regional, que circula em dez municípios do Centro- Sul Fluminense. Nos últimos cinco meses, o jornal passou a fazer oposição a gestão do prefeito de Miguel Pereira, Cláudio Valente (PT).

Na publicação e na página do Facebook "Miguel Pereira Fala Tudo" (com mais de 6 mil seguidores), Palma denunciava casos sobre corrupção, desvio de verba, falta de repasses de dinheiro público, envolvendo principalmente o prefeito e a primeira-dama e secretária de Desenvolvimento Social, Kátia Kozlowski. A promotoria de Justiça do MPRJ em Miguel Pereira vai acompanhar o caso por meio do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco).

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que campanha corpo-a-corpo ainda dá voto?