Publicidade

05 de Janeiro de 2014 - 18:43

Por Zuleide de Barros - Agencia Estado

Compartilhar
 

O movimento de veículos nas estradas que dão acesso à capital paulista a partir do litoral sul era considerado normal para um domingo até as 18 horas de hoje (5). A movimentação em todas as estradas do litoral era intensa, mas não chegava a congestionar o Sistema Anchieta-Imigrantes, conforme a Ecovias. Somente na saída do município de Praia Grande eram registrados pequenos focos de congestionamento.

De acordo com levantamento feito pela Ecovias, cerca de 1,3 milhão de veículos desceram a serra desde o Natal, sendo que, deste montante, apenas 191 mil carros ainda não haviam retornado. A expectativa da concessionária era de que boa parte desses veículos permanecesse na região por conta das férias de verão. Com as fortes chuvas que caíram no sábado, muita gente antecipou o retorno, fazendo com que as estradas que integram o Sistema Anchieta-Imigrantes apresentassem um movimento muito grande, acima do normal.

As chuvas que castigaram a região no sábado provocaram uma série de alagamentos em várias cidades da Baixada Santista, sobretudo na entrada de Santos e em São Vicente. Em Cubatão, o bairro do Vale Verde, que fica localizado às margens da Rodovia Padre Manoel da Nóbrega, ficou intransitável com as enchentes, trazendo muitos prejuízos aos moradores que, em protesto, bloquearam a estrada no início da tarde de hoje, por volta das 13 horas.

Os manifestantes atearam fogo em pneus e em pedaços de madeira, bloqueando a rodovia, a fim de chamar a atenção das autoridades do município para o problema crítico de enchentes naquele núcleo. Com a intervenção da Polícia Militar Rodoviária, a rodovia foi liberada duas horas depois, quando o acesso aos veículos procedentes de Praia Grande e das cidades do litoral sul foi liberado.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da adoção de medidas, como tarifas diferenciadas e descontos, para estimular a redução do consumo de água?