Publicidade

02 de Dezembro de 2013 - 15:31

Por Luciana Collet - Agencia Estado

Compartilhar
 

Cinco grupos entregaram proposta pelo lote de rodovias federais formado pelas BRs 060, 163 e 262, no trecho que passa pelo Distrito Federal, por Goiás e Minas Gerais. Entre as empresas que apresentaram propostas sozinhas estão a CCR, a Triunfo Participações e Investimentos e a Invepar.

Dois consórcios também foram formados: um com duas empresas do grupo Queiroz Galvão, o Consórcio Rodovias Federais 2013 (com Queiroz Galvão Desenvolvimento de Negócios e a Construtora Queiroz Galvão), e outro encabeçado pela EcoRodovias, o Consórcio Via Capital, do qual também fazem parte Coimex Empreendimentos e Participações, Rio Novo Locações, Tervap Pitanga Mineração e Pavimentação, Contek Engenharia, A. Madeira Indústria e Comércio e Urbesa Administração e Participações.

As propostas serão abertas em sessão pública de leilão na próxima quarta-feira, 4, a partir da 10 horas, na sede da BM&FBovespa, em são Paulo. O lote em questão possui 1.176,5 quilômetros e abrange 47 municípios. A concessão terá 30 anos e incluiu, além dos serviços de operação, conservação e manutenção, a implantação de melhorias e a ampliação de capacidade das rodovias.

A concessão abrange Brasília (DF) e, em Goiás, os municípios de Abadiânia, Alexânia, Anápolis, Aparecida de Goiânia, Goianápolis, Goiânia, Goiatuba, Hidrolândia, Itumbiara, Morrinhos, Panamá, Piracanjuba, Professor Jamil, Santo Antônio do Descoberto e Terezópolis de Goiás. Em Minas Gerais passará por Araporã, Araújos, Araxá, Betim, Bom Despacho, Campo Florido, Campos Altos, Canápolis, Centralina, Comendador Gomes, Conceição das Alagoas, Conceição do Pará, Córrego Danta, Florestal, Fronteira, Frutal, Ibiá, Igaratinga, Juatuba, Luz, Mateus Leme, Moema, Monte Alegre de Minas, Nova Serrana, Pará de Minas, Perdizes, Prata, Sacramento, São Gonçalo do Pará, Uberaba e Veríssimo.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?