Publicidade

11 de Março de 2014 - 00:44

Por AE-AP - Agencia Estado

Compartilhar
 

O Comitê Olímpico Internacional (COI) advertiu nesta quinta-feira, em Sochi, na Rússia, palco dos Jogos de Inverno de 2014, que os brasileiros precisam ficar sob "constante supervisão e colaboração" para que possam superar os atrasos nos preparativos para a Olimpíada de 2016, no Rio.

Ao apresentar nesta quinta-feira ao COI um relatório sobre os avanços da sua preparação para organizar os Jogos Olímpicos, organizadores do evento que será realizado na capital fluminense prometeram que a cidade irá terminar a tempo as obras necessária para realização da grandiosa competição.

O presidente do COI, Thomas Bach, esteve no Brasil no mês passado, quando voltou a alertar o governo brasileiro e os organizadores da Olimpíada de 2016 para que se apressem no cumprimento das tarefas para abrigar o evento com sucesso. Na ocasião, lembrou "que não há mais tempo a perder" neste processo de preparação.

Nawal El Moutawakel, dirigente marroquino que é responsável pela comissão do COI que fiscaliza os preparativos para os Jogos do Rio, ressaltou nesta quinta que os brasileiros tem exibido um "progresso significativo e tangível", mas também enfatizou que precisarão de "constante supervisão e colaboração nos próximos meses".

No mês passado, em encontro com dirigentes do COI em Brasília, a presidente Dilma Rousseff assegurou que os Jogos Olímpicos de 2016 serão realizados com segurança, assim como prometeu aperfeiçoar a cooperação das diferentes esferas governamentais e cumprir todos os compromissos firmados para o evento.

A promessa de Dilma foi bem absorvida por Bach, que disse confiar na preparação do Rio para a Olimpíada, mas ao mesmo tempo o dirigente alertou que o "(bom aproveitamento do) tempo é chave para fazer com que esses Jogos sejam bem-sucedidos".

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o subsídio do Governo vai alavancar a aviação regional?