Publicidade

19 de Dezembro de 2013 - 20:49

Por Cláudia Trevisan, correspondente - Agencia Estado

Compartilhar
 

Os EUA ficaram desapontados com a decisão do Brasil de comprar caças suecos, mas isso não afetará a cooperação do país com a Força Aérea brasileira, disse nesta quinta-feira, 19, o ex-embaixador americano no país Thomas Shannon.

"Nós felicitamos os suecos e a Força Aérea pela decisão. Isso é algo que eles queriam há muito tempo e, mesmo agora, vem muito tarde", declarou ontem durante palestra sobre o relacionamento bilateral no Brazil Institute do Wilson Center, em Washington.

Depois de um processo que durou quase duas décadas, o Brasil anunciou anteontem a compra de 36 aeronaves da sueca Gripen, em um contrato de US$ 4,5 bilhões. A americana Boeing e a francesa Rafale foram as grandes derrotadas pela decisão.

Antes da revelações do ex-técnico da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) Edward Snowden, havia forte expectativa na Boeing de que a empresa ganharia a disputa e que o anúncio poderia ser realizado durante a visita da presidente Dilma Rousseff a Washington, prevista originalmente para outubro.

A viagem foi cancelada depois que documentos divulgados por Snowden mostraram que a NSA não só espionou cidadãos brasileiros, mas também monitorou comunicações da presidente.

A Boeing abriu um escritório no Brasil, se engajou no programa Ciência sem Fronteiras e contemplou a questão de transferência de tecnologia em sua proposta. Nesta quinta-feira, Shannon evitou avaliar se as revelações de Snowden afetaram a decisão brasileira. Segundo ele, essa pergunta foi feita ao ministro da Defesa, Celso Amorim, e a resposta foi "não".

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o Rio vai conseguir controlar a violência até a Copa do Mundo?