Publicidade

20 de Janeiro de 2014 - 15:58

Por - Agencia Estado

Compartilhar
 

Executivos de três empresas financeiras sul-coreanas apresentaram suas cartas de demissão após a divulgação do maior roubo de dados de detentores de cartão de crédito no país.

A promotoria divulgara no início deste mês que informações de cerca de 104 milhões de cartões de crédito emitidos pelo KB Financial Group Inc., NongHyup Financial Group Inc. e pelo conglomerado Lotte Group foram roubados entre maio e dezembro de 2012 por um único engenheiro da Korea Credit Bureau, empresa contratada pelas três firmas.

Não foi possível entrar em contato com a Korea Credit, mas uma mensagem em seu site pede desculpas pela falha de segurança.

Os dados roubados incluem endereços residenciais e de e-mail, números de telefone e números de registro de residentes. Os números dos cartões foram roubados da NongHyup e da Lotte, mas não da KB Financial, informaram as empresas. A promotoria indiciou o engenheiro e dois supostos compradores dos dados, mas afirmou que as informações vazadas não circularam.

Todos os 27 principais executivos das unidades bancária e de cartões de crédito do KB Financial, assim como da holding da empresa, o KB Financial Group, apresentaram suas cartas de demissão e assumiram a responsabilidade pelo vazamento das informações, que abrangem cerca de 53 milhões de detentores de cartões, disse o banco nesta segunda-feira. O presidente da companhia ainda vai decidir se aceita as demissões.

O diretor da divisão de cartões de crédito da NongHyup, Sohn Kyoung-ik, também apresentou sua demissão nesta segunda-feira, que foi prontamente aceita pela empresa.

Na noite desta segunda-feira (horário local), a Lotte disse que nove executivos da unidade de cartões, incluindo o executivo-chefe Park Sang-hoon, pediram demissão. No caso da empresa, a decisão tem de ser aprovada pelo conselho de diretores.

"Informações pessoais foram vazadas, mas não foram distribuídas", afirmou o presidente da Comissão de Serviços Financeiros, Shin Je-yoon aos jornalistas nesta segunda-feira. "Eu vejo que as pessoas estão realmente preocupadas de que o vazamento das informações possa levar ao mau uso dos cartões de crédito, mas isso é improvável", disse ele.

Shin afirmou que vai buscar mudanças na lei para permitir que o regulador aplique penalidades contra a alta diretoria de empresas envolvidas para evitar casos semelhantes no futuro.

As três emissoras de cartões de crédito afirmaram que compensarão os clientes por qualquer perda financeira e rapidamente substituirão os cartões que forem solicitados.

O número de cartões de crédito afetados é maior do que a população total da Coreia do Sul, que é de cerca de 50 milhões. Isso acontece porque muitos sul-coreanos têm mais de um cartão e, segundo a promotoria, as informações vazadas incluem cartões corporativos e de pessoas mortas. Fonte: Dow Jones Newswires.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você concorda com o TJ, que definiu que táxi não pode ser repassado como herança?