Publicidade

17 de Janeiro de 2014 - 17:43

Por Vítor Marques - Agencia Estado

Compartilhar
 

O diretor financeiro do Corinthians, Raul Corrêa da Silva, admitiu nesta sexta-feira que o clube deve de R$ 8 a R$ 10 milhões, o que envolve os direitos de imagem do atacante Alexandre Pato, o pagamento de parcelas dos direitos econômicos do volante Ralf e a compra meia Rodriguinho.

As declarações de Raul Corrêa da Silva foram dadas em entrevista à ESPN Brasil. Para a Agência Estado, ele confirmou os números, mas negou que o Corinthians passa crise por uma financeira. Disse que os débitos estão sendo negociados e serão pagos em breve de acordo com o fluxo de caixa do clube.

Pato é um dos jogadores do elenco que recebe direitos de imagem. O Corinthians, segundo o dirigente, deve para ele algo entre R$ 1,5 milhão e R$ 2 milhões. Ainda de acordo com Raul Corrêa da Silva, o atacante não está cobrando o clube.

Pato, contudo, não é o único jogador que tem direitos de imagens a receber. Há outros dois nessa situação. "São poucos os jogadores do clube que recebem direitos de imagem. Salários atrasados não há. Isso eu posso garantir", disse Raul Corrêa da Silva.

A dívida com o América-MG se refere a compra dos direitos meia Rodriguinho feita no ano passado. O Corinthians deveria ter pago R$ 4 milhões. Mas existem duas parcelas em aberto, de uma R$ 1 milhão cada. O clube, ainda segundo Raul Corrêa da Silva, tem de acertar o pagamento de cerca de R$ 1 milhão a um grupo de empresários que detém parte dos direitos de Ralf.

Além desses débitos referentes a Pato, Ralf e Rodriguinho, o clube tem outras "pequenas pendências", que, somadas, não passam de R$ 10 milhões, segundo o dirigente. Para Raul Corrêa da Silva, há um certo exagero nas críticas sobre uma suposta crise financeira, porque o clube já está em "ano eleitoral".

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que o subsídio do Governo vai alavancar a aviação regional?