Publicidade

02 de Janeiro de 2014 - 23:48

Por AE - Agencia Estado

Compartilhar
 

A Autoridade Reguladora da Indústria Financeira (Finra, na sigla em inglês) barrou um corretor que trabalhou no departamento de compliance - um mecanismo interno para garantir que a companhia siga as leis - nos bancos de investimento do JPMorgan. A Finra culpou o corretor por seu papel no que disse ter sido um esquema de uso de informação privilegiada que rendeu US$ 9 milhões aos envolvidos.

David Gutman foi acusado de compartilhar informações sobre transações de fusões e aquisições nas quais o JPMorgan mediava para um amigo, Christopher Tyndall, que também trabalhava como corretor na Meyers Associates. Os dois foram demitidos, segundo informações da Finra e de uma pessoa com conhecimento do assunto.

Gutman não confirmou nem negou as acusações feitas pelo regulador, mas concordou em ser barrado da indústria de corretagem, segundo uma ordem datada de 31 de dezembro e publicada no site da Finra hoje.

O regulador disse que ele falhou em manter as informações confidenciais em 2006 sobre grandes negócios pendentes, como a aquisição da North Fork Bancorp pela Capital One Financial Corporation e a compra da American Power Conversion pela Schneider Electric. As informações de outros 13 negócios feitos entre março de 2006 e outubro de 2007 também vazaram, disse o regulador.

A Finra disse que Tyndal arrecadou US$ 870 mil em comissões sobre dicas dos negócios mediados pelo JPMorgan, que repassou para 13 clientes. As pessoas que operaram no mercado com essas informações privilegiadas, incluindo o próprio Tyndall, arrecadaram mais de US$ 9 milhões, segundo a acusação do regulador.

Quanto ao papel de Gutman, ainda não é claro se ele se beneficiou financeiramente com o compartilhamento das informações. Ele não teve que pagar nenhum tipo de multa, informou a Finra.

Um advogado do ex-funcionário do JPMorgan não estava imediatamente disponível para comentar. Ações disciplinares contra Tyndall, que não foi localizado para comentar o assunto, estão pendentes. Fonte: Dow Jones Newswires.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você pretende substituir o ovo de Páscoa por outros produtos em função do preço?