Publicidade

02 de Dezembro de 2013 - 15:49

Por Beatriz Bulla e Ricardo Chapola - Agencia Estado

Compartilhar
 

O presidente nacional do PT, deputado Rui Falcão, criticou as afirmações do vice-líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Leonardo Picciani, sobre a permanência do partido aliado do governador Sérgio Cabral (PMDB) até março no governo. "O que o Picciani disse envenenou muito as coisas, isso não se faz", afirmou Falcão, ao chegar para reunião com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os presidentes estaduais do PT eleições no Processo de Eleições Diretas (PED) do partido neste ano.

Picciani acusou o partido de adiar a saída do governo Cabral para "não perder o 13º salário". O pedido para retardar a saída do PT do governo no Estado foi feito pelo ex-presidente Lula. "O que o presidente Lula pediu foi que não se discutisse a saída do governo no dia da reunião com o PMDB. O Lindbergh atendeu o pedido. Isso significa que eles adotaram a decisão de ficar no governo até março e isso causou uma reação muito ruim do Picciani", disse Falcão.

Na tarde de desta segunda-feira, o governador Cabral informou que deixa o governo em março de 2014, quando sairá candidato ao Senado pelo PMDB.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você tem percebido impacto positivo das operações policiais nas ruas da cidade?