Publicidade

10 de Março de 2014 - 23:01

Por José Maria Tomazela e Chico Siqueira - Agencia Estado

Compartilhar
 

A defesa dos cinco índios presos por suspeita de assassinato de três homens na reserva Tenharim Marmelos, em Humaitá, sul do Amazonas, vai entrar com pedido de habeas corpus nesta segunda-feira, 3, visando à soltura dos suspeitos. De acordo com o advogado Ricardo Tavares Albuquerque, o pedido levará em conta a fragilidade das provas. "A Polícia Federal apresentou provas testemunhais, mas elas são genéricas e superficiais", disse, ressalvando que a defesa ainda não teve acesso a todas as peças do inquérito.

De acordo com Albuquerque, a defesa também vai pedir a transferência dos índios presos por estarem correndo risco de vida. Os indígenas estão no presídio Pandinha, uma penitenciária de segurança média, em Porto Velho (RO). O local, segundo ele, não oferece condições de segurança. "Meus clientes estão sendo submetidos a diversos tipos de violação dos direitos humanos, correndo até risco de vida. Por isso, vamos entrar com pedido de transferência", afirmou.

Tropas do Exército reforçaram a vigilância na Transamazônica, diante da ameaça dos índios de estourar pontes na rodovia em represália às prisões dos cinco indígenas da etnia tenharim. Na noite de sexta-feira, 31, índios se agruparam nas imediações da ponte sobre o rio Marmelo e os mais exaltados ameaçavam pôr fogo na ponte. Motoristas em trânsito na estrada foram escoltados em comboios pela Polícia Rodoviária Federal durante a travessia da terra indígena. Em janeiro, as lideranças indígenas haviam informado ao general Eduardo Villas Bôas, comandante militar da Amazônia, que iriam destruir as pontes caso a pressão contra os índios aumentasse. A PRF mantém bloqueios na estrada.

A Associação Nacional dos Servidores da Funai (Ansef) e a Confederação Nacional dos Servidores Públicos Federais (Condsef) divulgaram nota condenando "o preconceito, a violência e a afronta aos direitos dos povos indígenas" durante os episódios de Humaitá. As entidades responsabilizam a "negligência do poder público" quanto ao tratamento adequado à compensação dos prejuízos que os índios sofrem há mais de 40 anos pela passagem da Transamazônica em seu território pelos conflitos na região.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você acha que a realização de blitze seria a solução para fazer cumprir a lei que proíbe jogar lixo nas ruas?