Publicidade

02 de Dezembro de 2013 - 20:52

Por Tânia Monteiro, enviada especial - Agencia Estado

Compartilhar
 

Líderes petistas presentes nesta segunda-feira no velório do governador de Sergipe, Marcelo Déda (SE), elogiaram sua conduta ética ao longo da carreira. " Déda conseguia fazer coisas para além da política" e " cultivava valores que em geral quem está muito na militância acaba esquecendo que é justamente a coisa do afeto da ética, muito refinado. Ele era muito cuidadoso", disse Gilberto Carvalho. Depois de lembrar que Déda foi um dos fundadores do PT, Gilberto comentou que Déda "morreu pobre, um sinal também dessa postura extremamente cuidadoso". E emendou: "ele vai na contramão da cultura política tradicional da política feita para fazer fortuna da política feita para se apropria do bem publico Para mim ele é referencia e era uma das melhores expressões dessa geração que conseguiu fazer política de uma maneira diferente".

Já o governador da Bahia, Jacques Wagner, destacou que Déda "era um código de ética de procedimento bom caratismo, um negócio que você não vê o tempo todo sobrando por aí. Parafraseando a presidente, com a perda com a perda o que nos resta é tomar o exemplo". Segundo o governador baiano, "Déda fez uma revolução, acho que fez muitas coisas nesses seis anos de governo. É uma perda para família para o povo brasileiro ,para o PT".

Gilberto Carvalho e Jacques Wagner estão em Aracaju para homenagear o governador de Sergipe, Marcelo Déda, que morreu esta madrugada, em São Paulo, onde se tratava de um câncer há seis meses. A presidente Dilma Rousseff chegou ao velório do governador Marcelo Déda por volta das 18h30 hora local, 19h30, hora de Brasília, e entrou pelos fundo do Palácio de Governo, onde o corpo dele está sendo velado e nem foi vista pelos centenas de populares e militantes com bandeiras do PT que estão na frente do prédio.

Meia hora depois de Dilma foi a vez do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegar para a missa de corpo presente, em companhia do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad. Dilma chegou acompanhada de seis ministros e do governador do Distrito Federal, o petista, Agnelo Queiroz. Neste momento, a presidente Dilma está ao lado da família do governador, de autoridades nacional e locais, acompanhando uma missa em homenagem a Déda. O velório será aberto ao público após a saída das autoridades, depois das 21 horas, hora local. O corpo de Marcelo Déda será cremado amanha em Salvador, a pedido dele mesmo, segundo informações de sua assessoria.

Pelo menos três governadores chegaram para o velório: do Ceará, Cid Gomes, da Bahia, Jacques Wagner, e do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral.

CId Gomes disse que "é uma perda lamentável, sem dúvida. O Déda era um líder do Nordeste. Ele era apontado sempre como uma pessoa de diálogo". Já Sérgio Cabral lembrou que Déda era "um entusiasta do Brasil, um apaixonado por Sergipe e pelo Rio de Janeiro". E emendou: "ele só não era perfeito porque não era vascaíno, era flamenguista Desfilamos juntos uma vez pela Mangueira e já passou o fim de semana lá em casa com o presidente Lula fazendo farra".

O velório será aberto ao público após a saída das autoridades, depois das 21 horas, hora local. O corpo de Marcelo Déda será cremado amanhã em Salvador, a pedido dele mesmo, segundo informações de sua assessoria.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você participa das celebrações da Semana Santa?