Publicidade

27 de Dezembro de 2013 - 14:25

Por Gustavo Porto - Agencia Estado

Compartilhar
 

A presidente Dilma Rousseff voltou nesta sexta-feira, 27, a criticar a burocracia para a liberação de recursos a Estados e municípios atingidos por desastres naturais, como as enchentes que atingem Minas Gerais e Espírito Santo. "Numa emergência não dá para liberar (recursos) pelos canais normais, por isso criamos o cartão desastre para superar a burocracia na liberação recursos", disse Dilma em entrevista no aeroporto de Governador Valadares (MG).

A presidente lembrou que os municípios que decretarem emergência ou calamidade pública recebem o cartão para pequenas obras e limpezas de rua, mas cobrou o controle dos gastos. "Damos o cartão e controlamos o que o prefeito vai gastar. Em princípio, não tem limite, mas estamos de olho nele, porque dinheiro público é dinheiro público", disse. "Temos uma extrema fiscalização que é eletrônica, online", completou Dilma.

Dilma relatou que visitou, de helicóptero, a cidade de Virgolândia, vizinha a Governador Valadares, uma das mais atingidas pelas chuvas e considerou "impactante" o que viu. "Você vê que a cidade sofreu um trauma", disse. "É sorte não ter rio caudaloso, porque seria muito parecido com o que vi na serra do Rio de Janeiro", concluiu ela, citando a tragédia na região serrana do Rio de Janeiro, em 2011.

Dilma sobrevoou de helicóptero as regiões atingidas pelas chuvas acompanhada do governador Antonio Anastasia (PSDB) e dos ministros Fernando Pimentel (Planejamento) e Alexandre Padilha (Saúde), prováveis candidatos aos governos mineiro e paulista, respectivamente.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da proibição de rodeios em JF, conforme prevê projeto em tramitação na Câmara?