Publicidade

07 de Dezembro de 2013 - 00:39

Por Rafael Moraes Moura - Agencia Estado

Compartilhar
 

A presidente Dilma Rousseff decidiu cancelar três eventos previstos para o início da próxima semana e viaja na segunda-feira à África do Sul, onde vai acompanhar missa com chefes de Estado de todo o mundo em homenagem ao líder sul-africano Nelson Mandela. Dilma também decretou sete dias de luto pela morte de Mandela, conforme decreto publicado em edição extraordinária do Diário Oficial da União de desta sexta-feira, 06.

A missa fúnebre está prevista para ocorrer às 14h (10h de Brasília) da próxima terça-feira em Johannesburgo no Estádio FNB, palco da abertura e do encerramento da Copa do Mundo de 2010.

A viagem à África do Sul derrubou as agendas de Dilma previstas em Belo Horizonte, Porto Velho e Ji-Paraná (RO) - a presidente, no entanto, manteve a participação em evento promovido na segunda-feira pela Bill Clinton Global Initiative, no Rio de Janeiro. De lá, embarca para Johannesburgo.

"O governo e o povo brasileiro receberam consternados a notícia da morte de Nelson Mandela", lamentou a presidente Dilma Rousseff em nota divulgada quinta-feira, 05, pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

"Personalidade maior do século XX, Mandela conduziu com paixão e inteligência um dos mais importantes processos de emancipação do ser humano na história contemporânea - o fim do apartheid na África do Sul."

Dilma viajou na segunda-feira desta semana a Aracaju para acompanhar o velório do ex-governador de Sergipe, Marcelo Déda. Em março, foi a Caracas para as cerimônias fúnebres em homenagem ao ex-presidente venezuelano Hugo Chávez. Dilma também acompanhou o velório do ex-vice-presidente José Alencar em Belo Horizonte, em março de 2011.

Para o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, a morte de Mandela é uma perda que marca "profundamente" toda a nossa geração. "(Ele) teve a sabedoria de transformar sofrimento não em ódio, mas num combustível para recompor, para restaurar a dignidade de um povo", comentou Carvalho a jornalistas, após participar de reunião no Planalto com o Movimento Paz & Proteção.

Para o ministro, Mandela "é uma luz, é uma estrela que se acende no céu para todos nós no sentido de que vale a pena fazer política quando você a faz para servir o povo, especialmente aqueles que são vítimas da exclusão e da discriminação". "Mandela, para nós, segue sendo esta referência e a morte dele só deve nos dar ainda mais energia e decisão de continuar nesta luta", afirmou Carvalho.

Publicidade

Publicidade

Mais comentários

Ainda não é assinante?

Compartilhe

Publicidade

Encontre um tema na

Pesquisa

Edição impressa

Enquete

Você é a favor da proibição de rodeios em JF, conforme prevê projeto em tramitação na Câmara?